Pular para o conteúdo

Por que a esquerda votou na direita?

25/02/2011

Publico uma reflexão de um irmão meu, Waldemar, que coordena uma ONG de mais de 20 anos SEOP (Serviço de Educação e Organização Popular) cujo objetivo é mobilizar e organizar mediante a educação populações muito pobres nas periferias de Magé e de Petrópolis. Pensa a partir da marginalidade do sistema imperante e traz elementos que ajudam a entender melhor o Brasil a partir de baixo e das grandes maiorias. LB

Waldemar Boff – educador popular

Antecipadamente declaro que não sou analista político por profissão. Sou um educador popular que há mais de 20 anos trabalho nas periferias de Petrópolis e de Magé com populações pobres que procuram se organizar e viver um modo de vida sustentável. A partir desta base faço minhas ponderações, passados já três  meses da eleição. Repensamentos são sempre úteis.

Confesso que ainda estou perplexo. Gente séria, lúcida e intelectualmente honesta, tradicionais militantes de esquerda, alguns até vítimas do regime militar, deram seu voto a José Serra do PSDB. E o fizeram convictos. Certamente tinham razões legítimas e plausíveis.

O título desse artigo poderia ser também: por que a direita votou na esquerda. Mas não pretendo me deter na análise do apoio da direita fisiológica, capitaneada pelo PMDB, à candidata de Lula, Dilma Roussef.  Seu interesse é evidente. Eles estão onde está o poder real e tenderão sempre a acompanhar a onda que estiver no comando. Essa direita não tem ideologia nem espinha dorsal. Ela tem interesses e se amolda à situação que lhe permita continuar no poder e usufruir de benesses.

Muitos intelectuais e militantes da esquerda foram tomados por justa indignação diante dos desvios de conduta do governo Lula e acabaram formando uma opinião contrária ao seu governo. Esse posicionamento, acho eu, foi influenciado por informações destiladas sutilmente pelos grupos da mídia que detém o monopólio real da comunicação e da interpretação, e a quem não interessa um projeto nacional – do Brasil para os brasileiros.

Como alternativa optaram por apoiar Serra em quem viam experiência, competência e seriedade, ou seja, um bom executivo público, sem perceberem as conseqüências sociais, econômicas e ambientais de seu projeto de Brasil. No calor da campanha talvez tenham se esquecido da definição de política, feita por Max Weber, em conferência aos estudantes de Munique em 1919: “Política é a direção ou a influência sobre a direção de um Estado”.

Suspeito que muitos eleitores não tenham se apercebido que havia três projetos de Brasil subjacentes aos discursos dos principais candidatos. O projeto neoliberal de inserção subalterna ao mercado global, que já faz água por todos os lados, foi encarnado por Serra e seus aliados. Dilma personalizava a continuação de um projeto reformador nacional com forte presença do Estado, de acentuado viés nacionalista e de prioridades às políticas que beneficiam as massas despossuídas. E finalmente o projeto de desenvolvimento sustentável proposto e defendido pela Senadora Marina Silva.

Em função de meu próprio trabalho e de minhas convicções pessoais, escolhi apoiar, no primeiro turno, o projeto de desenvolvimento sustentável, belamente exposto e defendido pela ex-seringueira do Acre. Confesso que me decepcionei por duas razões. A primeira porque me dei conta de que grande parte dos votos dados a ela provinha de setores religiosos fundamentalistas que suspeito nem sequer entenderam direito sua proposta política. A segunda porque Marina não teve condições, no segundo turno, de tomar posição pública a favor de um dos projetos, passando à população uma falsa independência política que acabou favorecendo o projeto neoliberal de Serra.

Desconfio que talvez o fator mais decisivo do voto de muitos da esquerda progressista na direita conservadora tenha sido o paulatino obscurecimento do olhar amoroso para com os fracos e o embotamento da sensibilidade solidária com o sofrimento alheio. Este olhar compassivo se nutre do contato vivo, direto e contínuo com as camadas mais desfavorecidas da população. Afinal, a gente acaba pensando organicamente com os pés muito mais do que com a cabeça, batendo o coração ao ritmo da paisagem que se desdobra ao nosso olhar.

Essa classe média bem intencionada e às vezes progressista e religiosa se deixa inconscientemente contaminar pela sutil infiltração das interpretações da grande mídia. E como estão confortavelmente em seus sofás, apenas incomodados com a violência que nasce de uma injustiça estrutural, longe dos tormentos da vida dos pobres, acabam vendo a pobreza como uma disfunção social, ou até um fenômeno natural, e o pobre como uma categoria estatística. Não raro acabam por se abster ou por tomar posições politicamente confortáveis, que não lhes criem embaraços na sociedade ou no emprego.

A ausência de comunhão de destino com os condenados da terra, a recusa ao toque direto em suas chagas, a falta de tempo para escutar seus gritos desesperados, o desconforto frente ao cheiro de seus andrajos e a incapacidade de olhar amorosamente o seu olhar mortiço, todas essas recusas ou incapacidades cotidianas e silenciosas acabem talvez por conduzir sorrateiramente muita gente honesta e bem-intencionada a projetos que não promovem direitos negados e impedem uma real democracia..

O povo pobre pode se enganar muitas vezes. Raramente se engana naquilo que favoreça a melhoria das condições de sua pobre vida. Por isto, parece que quem salvou o projeto de um Brasil reformado, tendencialmente mais justo e mais democrático, não foi sobretudo a esquerda histórica, nem a direita interessada, nem os intelectuais progressistas, mas sim o povo simples de nossos grotões que na hora decisiva escolheu pela continuação de um projeto de Brasil que os contemple e os veja amorosamente como gente capaz e com vontade de colaborar.

 

Anúncios
10 Comentários leave one →
  1. Jandira Lúcia permalink
    27/02/2011 1:52

    Muita lucidez neste artigo.

    Curtir

  2. 28/02/2011 1:45

    Mto bonito.

    Curtir

  3. Thiago Damato permalink
    01/03/2011 5:08

    Leonardo, Clodovis, Lina, Waldemar…Eta família abençoada!!!Que Deus os conserve e vos guarde.

    Curtir

  4. Elisa permalink
    06/03/2011 18:09

    Que família abençoada, mesmo! Quanta sensibilidade, compaixão, lucidez, amorosidade para compreender e tomar partido dos despossuídos.
    Belíssimo!

    Curtir

  5. Baldino permalink
    17/03/2011 14:11

    Tá legal, eu aceito o argumento, mas dizer que o governo Dilma personaliza a continuação de um projeto reformador nacional beneficiando as massas despossuídas, sei não…não é o que vejo por aqui…
    Respeitosamente, aquele abraço…

    Curtir

    • samanthapinotti permalink
      20/02/2012 6:34

      Não podemos negar as coisas boas e nem as coisas ruins.
      A Dilma tem aprovação de uma maioria avassaladora. Não a minha.
      Principalmente por causas ambientais, como descaso aos indígenas e com a natureza.
      Ainda penso que é investido muito em grandes projetos e corporações e pouco em educação e sustentabilidade em todos os âmbitos.
      Abraços

      Curtir

  6. samanthapinotti permalink
    20/02/2012 6:31

    No primeiro turno também votei na Marina, ainda acredito que um dia poder vê-la na presidência.
    No segundo turno me desesperei. Dilma ou Serra???
    Difícil escolha.
    abraços.

    Curtir

  7. Clarice Pimenta permalink
    14/03/2013 11:52

    Muito bonito, mas utópico. A corrupção não é invencionice e a distribuição de benesses e cargos descaradamente também não.

    Não acho que o PSDB seja solução, mas alternância de poder pode ser sim.

    Tô cansado do ‘rouba, mas faz’, da ‘igualdade social com projeto de poder vitalício’ e coisas do tipo.

    Esse Lulismo é um misto de sucesso social, com economia morna e fracasso ético.

    Cansei.

    Curtir

  8. 01/08/2013 9:13

    Escrevo este comentário no ano de 2013, dois anos após a data de redação desse post, me dando subsídios pra falar que o governo Dilma infelizmente não seguiu com as palavras deste texto (apesar de ter as enfatizado em suas promessas políticas). Levantou Belo Monte pouco se importando com os indígenas 100% brasileiros que lá viviam. Pouco fez pela Amazônia que está cada dia mais tomada por lenhadores e empresas multinacionais.
    Dilma deixou a desejar infelizmente.

    Curtir

  9. osvaldo job permalink
    12/09/2014 7:36

    Concordo plenamente com este texto e reitero a sua atualidade como forma de reflexão sobre apesar de tudo, manter a timoneira e o rumo certo. Só não enxergam a evolução da justiça social, realmente aqueles que assistem do sofá, influenciados pelo egoísmo e o terrorismo midiático. Leonardo Boff é um candiero cultural, que não se pode prescindir nesta que ainda vivemos uma escuridão intelectual e política da nossa sociedade culturalmente escravocrata.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: