Skip to content

Muito mais alimentos sem reduzir a pobreza

05/07/2011

WASHINGTON NOVAES é um dos melhores jornalistas brasileiros que trata semanalmente questões ecológicas. Reproduzimos aqui artigo recente.

Na reunião em que foi eleito diretor-geral da Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), da ONU, há poucos dias, o ex-ministro brasileiro José Graziano da Silva assegurou – com sua experiência de gestor do programa de combate à fome entre nós – que esta será sua prioridade: enfrentar esse problema no mundo, para que até 2015 o número de carentes de alimentos no planeta, hoje em torno de um bilhão, se reduza à metade. “É o desafio do nosso tempo”, disse na ocasião o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, lembrando que um dos complicadores dessa questão – “o protecionismo dos ricos” à sua produção de alimentos – só tem aumentado. E isso quando a própria FAO alerta que os preços desses produtos continuarão a subir nos próximos 10 anos. E que a produção precisará crescer 70% até 2050, para alimentar os 9,2 bilhões de pessoas que estarão no mundo nessa época.

Não é a única preocupação de Annan. Ele alertou também para a crescente compra e arrendamento de terras em outros países por especuladores e fundos de alto risco de países industrializados. Só em 2009 foi comprada na África uma área equivalente ao território da França (FAO, 27/6). São movimentos decorrentes das incertezas econômicas do mundo, com investidores buscando garantias reais, no momento em que os papéis financeiros chegam perto de US$600 trilhões, para um produto bruto mundial na casa dos US$60 trilhões anuais. E no momento em que Nouriel Roubini, um dos pouquíssimos economistas a prever a crise de 2008/9, alerta (ESTADO, 23/6) para o forte aumento do “risco de uma parada e um duplo mergulho em economias avançadas”, em seguida a altas pronunciadas nos preços de alimentos, petróleo e commodities, que fazem “ressurgir o espectro da inflação”. Numa reunião do G 20, nos mesmos dias, o presidente da França, Nicolas Sarkozy afirmou que os mercados agrícolas, “os menos transparentes”, vão se transformando, “sem regras, em loteria, na qual a sorte sorri aos mais cínicos”. Por isso mesmo, o Brasil declarou seu apoio a um Sistema de Informações dos Mercados Agrícolas, administrado pela FAO, que possa coibir movimentos indesejáveis nessa área. Mas não aceita um mecanismo de estabilização de preços agrícolas. Para o ministro da Agricultura brasileiro, o único caminho para isso é ”aumentar a produção”.

Tudo acontece num cenário paradoxal. Um relatório da própria FAO – “Perdas globais de alimentos e desperdício de comida” – assegura (11/5) que um terço dos alimentos produzidos no mundo, cerca de 1,3 bilhão de toneladas anuais, se perde ou é desperdiçado. São 670 milhões de toneladas nos países industrializados e 630 milhões nos demais. Os consumidores ricos, diz o documento, desperdiçam 222 milhões de toneladas de frutas e hortaliças – tanto quanto toda a produção de alimentos na África. Isso quer dizer um desperdício per capita de 95 a 115 quilos anuais nos Estados Unidos e Europa. Nessa mesma hora, lembra o Banco Mundial, com a crise no Oriente Médio e África, o preço dos alimentos ali já subiu 36%.

Mas o que se fará ? Estender a todo o mundo o padrão de consumo de alimentos já vigente nos países mais ricos. ? E como ? Há quase duas décadas o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) chama a atenção: para isso seriam necessários mais dois ou três planetas como a Terra. Lester Brown, diretor do Earth Police Institute, acha (New Scientist, 5/2) que a “bolha de alimentos” vai tornando insustentável a situação da água e da terra. Na Índia, 175 milhões de pessoas são alimentadas com grãos produzidos com água retirada em maior quantidade que a reposta. Na China são 130 milhões. Segundo Brown, metade da população mundial já vive em países com escassez de água – “e esta noite mais 219 mil pessoas se terão acrescentado à população mundial” (mais de 80 milhões por ano).

Trazendo para o Brasil a questão do combate à fome, que será preciso fazer ? Segundo o IBGE, 10 milhões de brasileiros vivem com até R$39,00 por mês; 4,8 milhões moram em domicílios sem renda alguma; ao todo, a população de “miseráveis” chega a 16,2 milhões (equivalentes à população total do Chile); abaixo da linha da pobreza – R$70,00 por mês – estão 8,5% dos 190 milhões de habitantes; 5,7 milhões vivem com R$40 a R$70 por mês; só no Estado de São Paulo são 1.084.402 “miseráveis”. O governo federal pretende investir R$20 bilhões para enfrentar o problema, dos quais R$16 bilhões do Bolsa Família (que é a única renda de 88% dos 13 milhões de beneficiários). Mais uma vez, pode-se comparar esse investimento com mais de R$150 bilhões anuais pagos em juros a bancos e investidores em papéis da dívida.

Não há dúvida de que já somos o segundo maior produtor de alimentos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. E o Ministério da Agricultura espera aumentar a produção em 23% em uma década. Mas, como observa o ex-ministro Rubens Ricupero (Folha de S. Paulo, 26/6), esse desenvolvimento só se sustentará se formos capazes de encontrar soluções para “os desafios do meio ambiente”. Para justificar a preocupação, lembra ele números citados pelo ex-ministro José Carlos Carvalho: “no Vale do Rio Doce, um hectare sustentava 2,8 cabeças de gado; hoje, mal chega a 0,6”.

E assim vamos no mundo dos paradoxos. A produção de alimentos cresce, sobem os preços, “commodities” transformam-se em garantia para investimentos, junto com a compra de terras em países mais pobres. Mas não se consegue sair de perto do número terrível, de um bilhão de famintos no planeta, 40% da humanidade vivendo abaixo da linha da pobreza. A China caminhando para se tornar grande potência, mas Xangai, sua cidade mais populosa (acima de 20 milhões de habitantes), baixando legislação para proibir que cada família tenha mais de um cachorro – a política do “cachorro único” (ainda assim, mais de 5 milhões de cachorros; de quanto se precisará para alimentá-los ?).

Extraído de “O Estado de São Paulo”de 1/7/2011.

Anúncios
7 Comentários leave one →
  1. Thiago Enggle de Araújo Alves permalink
    05/07/2011 1:45

    Artigo cujo debate é extremamente necessário e atual. Parabéns.

  2. 05/07/2011 8:14

    meu senso comum já dizia isto. Quando olho pra lixeira da minha casa fico pensando que poderia ter alimentado mais uma pessoa pelo menos com o alimento que disperdicei. Como pessoa humana me sinto frustrado, como cristão, arrependido, como converter-se de um mundo umbigocentrico? Como converter discurso em prática?

  3. 05/07/2011 19:18

    Alexander: a compostagem pode ser uma saída. Se usássemos húmus no lugar de fertilizantes químicos, não poluiríamos as águas nem os solos. Acho que o êxodo urbano é a única saída.

  4. 06/07/2011 16:48

    Há alguns anos o enfoque era a preservação das reservas naturais, hoje a maior ameaça do planeta é o lixo gerado por um consumismo criminoso.
    Está na hora de “consumismo/lixo” serem matérias obrigatórias nos currículos escolares.

Trackbacks

  1. Muito mais alimentos sem reduzir a pobreza (via Leonardo Boff) | Beto Bertagna a 24 quadros
  2. Muito mais alimentos sem reduzir a pobreza « Leonardo Boff | Cais de Abrigo
  3. ARIO DE RAYÓN « Aquí también, "nosotros los pueblos"

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: