Pular para o conteúdo

As crises do mundo e a libertação pelo Tao

22/05/2012

Já escrevi neste espaço que WASHINGTON NOVAES é seguramente nosso melhor jornalista em assuntos ecológico. Seus artigos semanais em O Estado de São Paulo constituem marcos de atualização dos mais diferentes temas concernentes às questões ecológicas. Agora me permito publicar a recensão que fez meu livro escrito em parceria com o canadense MARK HATHAWAY o TAO DA LIBERTAÇÃO. Com inteligência e brilho captou as intuições e os propósitos básicos deste livro de mais de 500 páginas. Muitos que não poderão ler o livro, encontrarão aqui um resumo fiel. Fico agradecido e confirmado em meu trabalho pelas generosas palavras que Novaes encontrou para enfatizar a relevância das visões apresentadas neste livro.

************

 

Leonardo Boff é um erudito. Filósofo, teólogo, autor de dezenas de livros, poucas pessoas, como ele, terão mergulhado tão fundo, com tanta pertinácia, na busca do conhecimento – e do conhecimento da origem, da evolução, do sentido da vida. Tudo isso está presente no livro lançado este ano – O Tao da libertação (Editora Vozes) -, no qual, em parceria com Mark Hathaway  (educador, pesquisador, “ativista ecumênico da ecojustiça”, como é descrito na obra) , traça, em mais de 400 páginas, um roteiro para essa busca. É de perder o fôlego, na medida em que cada página, cada parágrafo, cada frase, é perquiridora, fértil.

Coincidência ou não, o livro é lançado aqui no momento em que uma das mais respeitadas publicações na área da ciência, a revista New Scientist (17/3), em sua matéria de capa, coloca o tema “A questão de Deus – a surpreendente nova ciência da religião”, em que examina o tema “Por que a religião pode sobreviver (ultrapassar) a ciência”.E no momento em que um documento assinado por 20 dos mais respeitados cientistas – todos ganhadores do “Blue Planet”, prêmio alternativo ao Nobel do Meio Ambiente – evidenciam como os nossos modos de viver ameaçam o futuro do planeta e da espécie humana.  A origem e a evolução do universo, o aparecimento da espécie humana, seus descaminhos e as possibilidades de um reencontro com o Tao da Libertação (a procura pela sabedoria) são exatamente o tema desse livro instigante de Boff/Hathaway. Que, ao examinar uma questão central – por que o processo evolutivo criou o ser humano e os dramas que ele produz ? -,  responde de modo semelhante ao que dizia o saudoso psicanalista Hélio Pellegrino: para se ver.

E por que o Tao ? O prólogo do livro responde com os versos: “Existia algo inteiro/antes do céu e da terra./Silencioso e sem forma./Instável e independente./ Sempre em movimento,/ em círculo./ Chamemos-lhe a mãe do mundo./ Não sei seu nome./Chamo-lhe Tao…” Boff e Hathaway complementam: “ O Tao da Libertação é uma procura pela sabedoria necessária para implementar profundas transformações em nossas vidas” . Ele pode ser entendido como “um princípio de ordem que regulamenta o cosmo; é ao mesmo tempo o modo de ser do universo e a estrutura fluídica cósmica que não pode ser propriamente descrita, nas apenas percebida (..) É a sabedoria central do universo, a sabedoria que abrange a essência de seu propósito e de sua direção (..) Transcende, de certa maneira, qualquer filosofia ou religião(…) É uma arte, não é uma ciência exata” (…) É um mistério: nós não podemos fornecer a direção do caminho, não podemos detalhar um mapa preciso”.

Mas seguir nessa busca permitiria encontrar novas maneiras de viver, “nas quais as necessidades da humanidade sejam harmonicamente consistentes com as necessidades e o bem-estar de toda a comunidade de vida da Terra, e com o próprio cosmo (…)Usamos a palavra libertação para nos referirmos a esse processo de transformação”.

É também um livro de esperança, por entender que “o ciclo de desespero e destruição pode ser quebrado”, desde que se admita que o primeiro passo seja “reconhecer que temos de mudar”. Para isso, é preciso repensar uma visão cósmica do universo, de seus 15 bilhões de anos de existência. Saber que a existência da Terra, se condensados esses 15 bilhões de anos em um século, terá começado no ano 70; a vida nos oceanos no ano 73; depois, duas décadas de vida limitada a bactérias unicelulares, que mudaram o universo, a atmosfera, os oceanos, a geologia da Terra – e isso permitiu formas de vida mais complexas. Mas só no ano 93  vieram a reprodução sexual e a morte de organismos singulares. Dois anos depois, chegaram os primeiros organismos milticelulares. Mais um ano, o sistema nervoso. Outro ainda e os organismos vertebrados. Só no ano 98 , depois dos dinossauros e das primeiras plantas floridas, chegaram os mamíferos. Há apenas 12 dias cósmicos “nossos ancestrais se tornaram bípedes” e há 6 dias começaram a usar ferramentas. Há apenas um dia cósmico o homo erectus “conquistou o fogo”. E há doze horas cósmicas surgiu o homo sapiens, os “humanos modernos”.Nessa trajetória, os impactos mais fortes nos ecossistemas vêm ocorrendo há “apenas dois minutos” , com o surgimento da civilização tecnológica. Mas a destruição acelerou-se nos últimos 12 segundos, na segunda metade do século 20.

No entanto, dizem os autores, “tempos de crise podem ser tempos de criatividade”, capazes de superar  as imensas dificuldades. E a “ecologia da transformação” descreve os “processos de inter-relação que devem ser acionados para podermos restaurar a saúde da nossa casa comum, a Terra”. A alternativa principal está nos biorregionalismos, capazes de “conceber uma sociedade baseada em pequenas comunidades locais ligadas por uma rede de relacionamentos fundados na igualdade, na compartilha e no equilíbrio ecológico, em lugar da exploração da natureza. Este modelo procura construir sociedades que são autossuficientes e auto-reguladoras”. E “Deus  vem misturado com todos os processos (as etapas, caminhos e métodos estão descritos no livro), sem perder-se dentro deles: “Tudo não é Deus. As coisas são o que são, coisas. No entanto, Deus está nas coisas (…) Em cada mínima manifestação de ser, em cada movimento, em cada expressão de vida estamos às voltas com a presença e a ação de Deus. Abraçando o mundo, estamos abraçando Deus”.

Com toda a certeza, é um livro que vale a pena ler, seja o que for que se pense.

15 Comentários leave one →
  1. Lucileide permalink
    22/05/2012 23:31

    Que lindo! sem dúvida a mãe criou o universo e o pai testemunhou, não é assim o parto? a mãe dá a luz e o pai testemunha. Assim é início de toda a criação.
    Deus/Deusa são o tudo e o nada, o finito e o infinito, a forma e o sem forma, estão em todas as coisas e além de todas as coisas, são o tempo e estão além do tempo…

    Curtir

  2. 22/05/2012 23:51

    Tive a grata oportunidade de beber na fonte jorrante de Leonardo Boff, desde o emblemático Igreja: Carisma e Poder. Sempre imprime um caminho de justiça e verdade que indica ao Homem, enquanto Humanidade, ao caminho da Liberdade a viscejar na dignidade da pessoa humana. Essa dignidade da pessoa humana, por ele mesmo, Leonardo Boff, tão bem buscada, defendida, vivida e vivenciada com outras vozes, também menores e outras não menores, como Paulo Evaristo Ars, Pedro Casaldáliga Pla continua a ser sentida e pre-sentida em cada linha, em cada escrito de Boff. Ao ler o artigo fui remetido àquela eclesiogênese e a vislumbrar a beleza libertadora da criação e re-criação na busca incessante do Ser. Sucesso, sempre!

    Curtir

  3. 23/05/2012 8:55

    Sim, um livro pra um despertar místico e poético em tempo de cura urgente. Fiquei muito feliz, com leitura deste livro que me fez tanto bem e reforça nossa luta pela libertação da Mãe Terra: quem abraça a Alegria abraça Deus! Beleza místura amores, cabe tudo! Parabéns Amigo Fraternura de todos os viventes aparentados no Amor! Sua palavra é sua alma! Mande um alô pra mim, meu poeta infindo! Te amo Leo! Everaldo Irmão!

    Curtir

  4. Roberto Ariel permalink
    23/05/2012 11:42

    esperanzador…en pocos micro segundos podemos crear soluciones…si queremos..

    Curtir

  5. 23/05/2012 12:12

    Ao ler a explicação da liberação de Tao,acima, me fez querer colocar a questão da morte, que esta evidência nas rodas de estudo que participo.Parece que é meio de aceitar a liberação em vida, do restruturar nossa vida para que mundo seja sustentável.Istoé, algo que se propos a mim a partir da partida de pessoas queridas para ficar ao lado de Deus, no céu. Estranho ou não, mas diante da tal teoria de Tao,faz sermos realista com espirito de pertencer algo maior

    Curtir

  6. 23/05/2012 14:55

    Espetacular!

    Curtir

  7. Maria do Carmo permalink
    24/05/2012 9:07

    “Tudo não é Deus. As coisas são o que são, coisas. No entanto, Deus está nas coisas (…) Em cada mínima manifestação de ser, em cada movimento, em cada expressão de vida estamos às voltas com a presença e a ação de Deus. Abraçando o mundo, estamos abraçando Deus”.

    Leonardo querido, sua bênção.
    As palavras acima fizeram-me lembrar uma frase de Nossa Madre que marcou sua vida a partir de uma experiência mística: “DEUS É UM ABRAÇO”.
    Por caridade, irmão querido, não deixe de nos enviar este livro!…
    Abraços e a certeza das orações.

    Curtir

    • 25/05/2012 11:33

      Ir Maria do Carmo,
      já ha mais de duas semas mandei por correio o que pedu O Despertar da águia e mais algum outro que nao lembro. Em breve mandarei Experimentar Deus. A transparência de todas as coisas.

      Reze por este teólogo. O que salva não são as prédigas teológicas mas as práticas de amor e solidariedade.

      Unidos diante do Senhor

      lboff

      Curtir

      • Maria do Carmo permalink
        28/05/2012 8:47

        ” A GRATIDÃO É A MEMÓRIA DO CORAÇÃO ”

        Deus lhe pague, irmão querido.
        Esteja certo das orações.
        Abraço carinhoso.

        Curtir

  8. 24/05/2012 21:02

    leio: E “Deus vem misturado com todos os processos ”
    e penso: mas fica a cada “segundo cosmico” sempre mais dificil acreditar nele, nestes processos cegos, surdos e mudos da natureza, na minha opinião

    Curtir

    • 25/05/2012 11:20

      Giuseppe,
      Não temos todo o mapa da realidade por isso seu sentido ultimo nos escapa. Como num mapa sempre ha lugares cegos, assim na historia, mas eles pertencem ao mapa. E Deus pode ser aquilo que nós não entendemos, caso contrario fariamos da razão a referencia de tudo,o que não é possivel. A realidade desborda de todos os conceitos e dos sentidos que nós criamos. Crer é sempre uma aposta de que no termo final a luz tem mais direito que a escuridão e que o sentido triunfa sobre o absurdo.
      Vale apostar por aquilo que nos dá alguma luz, mesmo na forma de promessa.
      lboff

      Curtir

      • 25/05/2012 21:53

        Li, Leonardo Boff, o seu livro em parceria, O TAO DA LIBERTAÇãO. É um livro muito interessante. James Wats há anos escreveu um livro que trata das cosmovisões Oriente vesus Ocidente e tenta conciliá-las. O que achei que você tenta fundar uma nova subjetividade, levando em consideração que a crise do mundo deve-se ao antropocentrismo e ao patriarcalismo. Você sempre subestimou, desde 1998, o tecnologia da informação. “A crise de valores deve-se a dissociabilidade da Economia” (Rose Mariemuraro).
        Espero que esta apreciação minha fique aqui para todos lerem.
        odeciomendesrocha philosopher

        Curtir

  9. Rosa Maria Nascimento Rodrigues permalink
    26/05/2012 12:54

    Caro Leonardo Boof
    Já o conheço há muitos anos nos seus livros…
    e devo agradecer toda a ajuda que me tem dado através deles…
    o Senhor não visitará Portugal? Sei que esteve cá alguns anos atrás.
    Vivo em Braga (Norte de Portugal) e colaboro com a Ordem Franciscana.Comecei a estudar
    Teologia também através dos seus livros, (não fui muito compreendida nesta parte) mas também não importa, continuo com a divulgar os seus escritos e a lê-los com Amor.
    Grata por estar na minha vida
    Um abraço de Portugal
    Rosa Rodrigues

    Curtir

  10. 28/05/2012 16:49

    Caríssimo frei, desde que o conheci, em 1973, em Petrópolis, eu um professo capuchinho e você o mestre mas parecido com Francisco que eu conheci. Leio-o, medito-o, admiro-o e rogo sempre a Deus para que o mantenha assim, iluminado e iluminante, lúcido e ébrio de mística alegria, enfim, nosso luminar maior. Um beijo de paz!

    Curtir

    • 04/06/2012 18:21

      Ton
      Vc me reporta aos bons tempos de Petrópolis, dos anos 70, quando a atmosfera da Igreja permitia fazer teologia com entusiasmo e alegria. Depois veio o outono e hoje o inverno. Mesmo fazendo escuro, continuamos a cantar, como diz o poeta.
      Obrigado por suas palavras tão generosas. Que eu possa merecê-las.
      lboff

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: