Pular para o conteúdo

Deus,esse desconhecido conhecido

16/10/2012

 Nos dias 5 e 6 de outubro em Assis realizou-se mais uma edição do “Átrio dos Gentios”, iniciativa do Pontifício Conselho para a Cultura do Vaticano, voltada para a questão de Deus. O Presidente da Itália, Giorgio Napolitano e o Card. Gianfranco Ravasi, à frente do Conselho e famoso exegeta bíblico, fizeram um diálogo instigante sobre “Deus, esse desconhecido”.

Com o “Átrio dos Gentios” faz-se um esforço de levar ao diálogo crentes e não crentes. O Átrio era o espaço ao redor do templo de Jerusalém acessível aos gentios (pagãos) que, de resto, jamais poderiam de entrar no templo. Agora procura-se tirar os interditos para que todos possam aceder ao templo.

A este propósito me permito uma reflexão que me acompanha ao largo de toda a vida de teólogo: pensar Deus para além das objetivações religiosas (metafísicas) e procurar interpretá-lo como Mistério sempre desconhecido e, ao mesmo tempo, sempre conhecido. Por que este caminho? Einstein nos oferece uma pista: ”o homem que não tem os olhos abertos para o Mistério passará pela vida sem nunca ver nada”.

Efetivamente, para onde quer que dirijamos o olhar, para o grande e para o pequeno, para fora e para dentro, para o alto e para o baixo, para todos os lados, encontramos o Mistério. O Mistério não é o desconhecido. É o conhecido que nos fascina e nos atrai para conhecê-lo mais e mais. Ao tentar conhecê-lo, percebemos que nossa sede e fome de conhecimento nunca se sacia. No mesmo momento em que O conhecemos, Ele se nos escapa na direção do desconhecido. Perseguimo-lo sem cessar e mesmo assim Ele fica sempre Mistério em todo o conhecimento, causando-nos atração invencível, temor profundo e reverência irresistível. O Mistério simplesmente é.

Minha tese de base é esta: no princípio era o Mistério. O Mistério era Deus. Deus é o Mistério. Deus é Mistério para nós e para Si mesmo.

É Mistério para nós na medida em que nunca acabamos de  conhecê–Lo nem pela razão nem pelo amor. Cada encontro deixa uma ausência que leva a outro encontro. Cada conhecimento abre outra janela para um novo conhecimento. O Mistério de Deus não é o limite do conhecimento mas o ilimitado do conhecimento. É o amor que não conhece repouso. O Mistério não cabe em nenhum esquema nem vem aprisionado nas malhas de alguma religião, Igreja ou doutrina. Ele está sempre por ser conhecido.

O Mistério é uma Presença ausente. Mas também, uma Ausência presente. Manifesta-se na nossa absoluta insatisfação que incansavelmente e em vão busca satisfação. Neste transitar entre Presença e Ausência se realiza o ser humano, trágico e feliz, inteiro mas inacabado.

Deus é Mistério em si mesmo e para si mesmo. Deus é Mistério em si mesmo porque sua natureza é Mistério. Vale dizer: Deus enquanto Mistério se autoconhece e no entanto nunca tem fim seu autoconhecimento. O conhecimento de sua natureza de Mistério é cada vez inteiro e pleno e, ao mesmo tempo, sempre aberto para nova plenitude, ficando sempre Mistério, eterno e infinito para si mesmo. Se assim não fosse, não seria o que é: Mistério. Portanto, Ele é um absoluto Dinamismo sem limites.

Deus é Mistério para si mesmo quer dizer: por mais que Ele se autoconheça nunca esgota este seu conhecimento. Está aberto a um futuro que é realmente futuro. Portanto, algo que ainda não é dado, mas que pode se dar como novo para Ele mesmo. Com a encarnação Deus começou a ser aquilo que antes não era. Portanto, em Deus há um devir, um tornar-se.

Mas o Mistério, por um dinamismo intrínseco, permamentemente se revela e se autocomunica. Sai de si e conhece e ama o novo que emerge dele. O que vai se emergir não é reprodução do mesmo. Mas sempre distinto e novo, também para Ele. À diferença do enigma que, conhecido, se desfaz, o Mistério quanto mais conhecido mais aparece como desconhecido, quer dizer, como  Mistério que convida para mais conhecimento e para maior amor.

Dizer Deus-Mistério é expressar um dinamismo sem resto, uma vida sem entropia, uma irrupção sem perda, um devir sem interrupção, um eterno vir-a-ser sempre sendo e uma beleza sempre nova e diferente que jamais fenece. Mistério é Mistério, agora e sempre, desde toda a eternidade e por toda a eternidade.

Diante do Mistério se afogam as palavras, desfalecem as imagens e morrem as referências. O que nos cabe é o silêncio, a reverência, a adoração e a contemplação. Estas são as atitudes adequadas ao Mistério.

Assumindo tal compreensão, se derrubam todos os muros. Já não haverá mais o Atrio dos Gentios e tambem não existirá mais templo, porque Deus não tem religião.  Ele é simplesmente o Mistério que liga e re-liga tudo, cada pessoa e o inteiro universo. O Mistério nos penetra e nEle estamos mergulhados.

Leonardo Boff é autor de Experimentar Deus: a transparência de todas as coisas, Vozes 2002.

Anúncios
15 Comentários leave one →
  1. Alexandre E. S. Visconti permalink
    16/10/2012 6:08

    Muito bonito o seu texto, Leonardo, porém, vejo nele apenas uma grande contradição: ao mesmo tempo que você diz que Deus não tem religião, o que está corretíssimo, você diz que Deus encarna, apartando assim Deus de inúmeras religiões. Para mim, o grande diferencial em Deus é que Ele não encarna, ao contrário dos homens e dos animais; isto foi criação do homem antigo, numa tentativa de trazer Deus mais para perto, de torná-lo, talvez, mais compreensível, menos misterioso, mais inteligível e, principalmente, mas forte e representativo de uma religião nascente no seio do paganismo romano. E tudo isto, após acaloradas discussões bem humanas num concílio organizado por homens.
    É o próprio mestre que diz claramente nos textos, e por duas passagens, que ele não é Deus quando alguém lhe pergunta: bom mestre, e ele responde; bom? Bom, só Deus.
    E o mais interessante é que a pergunta nada tem a ver com isso, mas Jesus aproveita o momento para esclarecer. Alguém poderia objetar: mas, em João…João é um místico, o envangelista tardio, não sinóptico e já muito influenciado pelos textos de Paulo, o grande propagandista político da fé cristã. Então, para mim e para muitos, nada a ver.
    Está tudo bem claro nos evangelhos para quem quiser ver e, exatamente, nos três evangelistas sinópticos: Mateus, 19:16,17; Marcos, 10:17,18 e Lucas,18:,18,19.
    Aliás, importa também frizar que o único outro evento do novo testamento testemunhado por três evangelistas é a entrada triunfal de Jesus num burrinho em Jerusalém, pouco antes dele ser preso e julgado.
    Fica então mesmo muito difícil considerar essas duas passagens como “inverossímel”, mesmo para Bart D. Ehrman, o autor de “O que Jesus disse? O que Jesus não disse?
    Mas, o mistério de Deus certamente continua, nos penetra e estamos nEle mergulhados.

    Curtir

  2. Wanda Mendes permalink
    16/10/2012 8:13

    Ler os textos de Leonardo Boff, é sempre um grande aprendizado. Maravilhoso!!!!!!

    Curtir

  3. 16/10/2012 8:55

    Obrigado Boff, por suas palavras que favorecem a unidade entre todos os seres humanos assim também como toda a criação de Deus!
    Como dizia nosso querido João XXIII: “É muito mais forte aquilo que nos une do que quanto nos divide”.
    Quanto ao livro Experimentar Deus, no primeiro ano da Teologia “briguei” muito com ele, ao lê-lo, pois não entendia bem. No entanto, foi uma leitura fundamental para minha compreensão de um Deus transparente, que está entre nós todos, sobretudo aos orpimidos do mundo.
    Um forte abraço!

    Curtir

  4. Maria do Carmo permalink
    16/10/2012 13:20

    ” Cada encontro deixa uma ausência que leva a outro encontro. Cada conhecimento abre outra janela para um novo conhecimento. O Mistério de Deus não é o limite do conhecimento mas o ilimitado do conhecimento. É o amor que não conhece repouso.”

    Querido Leonardo, sua bênção.

    Louvo a Deus pelo benefício da tecnologia que me permitiu encontrar o sr.
    Reli lentamente, meditando cada frase, o livro ” Experimentar Deus”, que ajudou-me a compreender as purificações da fé quando ainda era noviça. Esta nova edição revista e ampliada ficou ainda mais “saborosa”.
    Estou agora aguardando “A águia e a galinha”.
    No dia de São Francisco, recordei sua pessoa e rezei por suas intenções.
    Um abraço carinhoso e minha admiração.

    Curtir

  5. jairo costa permalink
    16/10/2012 14:03

    Agora entendi porque achava que Jesus Cristo era ateu.
    Obrigado Leonardo Boff.

    Curtir

  6. Fernando Repinaldo permalink
    16/10/2012 16:02

    Belíssima reflexão. Me fez lembrar a música “esotérico” de Gilberto Gil :”…Até que nem tanto esotérico assim/ Se eu sou algo incompreensível, meu Deus é mais/ Mistério sempre há de pintar por aí…”
    Legal sua frase : ” Está aberto a um futuro que é realmente futuro.” Entendo como algo que nunca vai chegar,pois cada amanhecer é sempre presente e nunca futuro e entretanto existe em nossas mentes uma expectativa de amanhã esclarecermos aquilo que é o eterno agora. Um abração.

    Curtir

  7. Gilson Alves Barbosa permalink
    16/10/2012 17:53

    Caro L. Boff:

    Tempos atrás o senhor deu uma entrevista a um programa da Rede MInas – Leila Entrevista – onde narra um episódio de sua vida, ou melhor, de um diálogo entre o senhor e a sua querida mãe na varanda de casa, onde ela o questiona sobre conhecer e ver a Deus. O Sr. deu-lhe a resposta com o sentido e o conhecimento de padre, filósofo e teólogo brilhante que é. Lembro-me bem de suas palavras (a resposta de sua mãe) “você é um “tiólogo” e não conhece Deus”? … E como o senhor bem narra ela lhe dá uma resposta seminal sobre o conhecer Deus, na sua simplicidade de mulher do campo, profunda de quem não só conhecia Deus, mas sobretudo o sentia em todas as coisas.
    Fiquei profundamente tocado com a resposta que ela lhe deu e, desde então, ao em vez de tentar conhecer Deus, eu procuro senti-lo em todas as coisas.
    Como bem disse Jung a um questionamento sobre a crença em Deus: “Eu sei que não deveria acreditar. Mas eu sei”.

    Fraternal abraço
    Gilson Alves Barbosa

    Curtir

  8. WesleyRJ permalink
    16/10/2012 20:22

    Mensagem bonita. Ao mesmo tempo, remete-me à reflexão e à resignação. Parabéns! Suas palavras me transmitem duas ideias sobre você: um ser repleto de Fé e sinceramente tolerante com a religião alheia.

    Curtir

  9. Saulo Martins permalink
    17/10/2012 9:42

    O GRANDE MISTÉRIO… Faço minhas estas palavras caro Sr Boof. Quando experimentei um ritual xamânico chamado A MORTE DO XAMÃ eu me vi ante a idéias sobre Deus, morte, vida, e nada, absolutamente nada do que eu conseguia pensar, raciocinar ou sentir apresentou definição mais adequada sobre Deus do que Grande Mistério. Deparei-me, nessa experiência ante a morte, Senhora da Transformação como costumo chamar, então me dei conta de que tudo o que eu conhecia sobre iluminados, mestres, deus, Deus, Santos, Orixãs ou o que quer que fosse de sagrado não teria poder maior do que Ela, a morte. Assutado tentei orar pedindo socorro, mas para quem oraria se junto a mim morria Deus, pelo menos o meu Deus. Então, já sem forças ou conhecimento que me ajudasse eu orei ao Grande Mistério. Só restou Ele para me socorrer, e Ele não socorreu, eu não carecia mais de socorros. Agradeço a estas suas palavras que ajudam-me a “arrumar” as idéias e consolam a minha mente, ávida de conhecimentos.

    Xamã Saulo Martins

    Curtir

  10. 17/10/2012 21:12

    Leonardo Boff
    Na sua área não discuto com você. É excelente.
    Deus está até no ateismo.
    um abraço, amigo
    odeciomendesrocha philosopher

    Curtir

  11. 18/10/2012 21:44

    Superficialidade não combina com Deus. A Aliança com Deus tem duas faces, como a moeda, o Poder de Deus e a Integridade humana. Boff o que você acha disso? Falar de Deus , mas, não seguir os passos de seu Filho Jesus, que é nossa Nova Aliança, lembra em você algo? O que é melhor, sermos conhecidos de Deus ou Filhos de Deus? De que lado você estaria agora, como tanto rancor da Igreja de Jesus, fundada por Ele e continuada por Pedro?

    Curtir

  12. 19/10/2012 10:06

    Olá Leonardo Boff, você “acertou direto na mosca” com o artigo “Deus, esse desconhecido conhecido”. Ajuda-nos a reconhecer mais a nossa pequenez assim como nossa grandeza e profundidade de tudo no universo! Um grande abraço!

    Curtir

  13. Paulo de Tarso permalink
    01/11/2012 19:11

    “Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas.” O “mistério” acaba no dia em que formos evoluídos suficientemente à ponto de estarmos presencialmente com ele, nosso Pai!

    Curtir

Trackbacks

  1. Deus,esse desconhecido conhecido (via leonardoBOFF.com) | Beto Bertagna a 24 quadros
  2. Deus, esse desconhecido conhecido. | Blog do Marcone

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: