Skip to content

Discutir o aborto por amor à vida

27/09/2014

Custa-me crer que haja pessoas que defendam o aborto pelo aborto. Ele implica eliminar uma vida ou interferir num processo vital que culmina com a emergência da vida humana. Eu pessoalmente sou contra o aborto pois amo a vida em cada uma de  suas fases e em todas as suas formas.

Mas esta afirmação não me torna cego para uma realidade macabra que não pode ser ignorada e que desafia o bom senso e os poderes públicos. Por ano fazem-se no Brasil cerca de 800 mil abortos clandetinos. A cada dois dias morre uma mulher vítima de um aborto clandestino mal assistido.

Essa realidade deve ser enfrentada não com a polícia mas com uma saúde pública responsável e com senso de realismo. Considero farisaica a atitude daqueles que de forma intransigente defendem a vida embrionária  e não adotam a mesma atitude face às milhares de crianças nascidas  e  lançadas na miséria, sem comida e sem carinho, perambulando pelas ruas de nossas cidades. A vida deve ser amada em todas as suas formas e idadees e não apenas em seu primeiro alvorecer no seio da mãe. Cabe ao Estado e à toda a sociedade criar as condições para que as mães não precisem abortar.

Eu mesmo assisti, nos degraus da catedral de Fortaleza, uma mãe famélica, pedindo esmola e amamentando o filho com o sangue de seu próprio seio. Era a figura do pelicano. Perplexo e tomado de compaixão a levei até a casa do Cardeal Dom Aloisio Lorscheider onde lhe demos toda a assistência possível.

Mesmo assim ocorrem abortos., sempre dolorosos e que afetam profundamente a psiqué da mãe. Narro o que escreveu um eminente psicanalista da escola junguiana de São Paulo, Léon Bonaventure, na introdução que fez a um livro desafiador e instigante e não livre de questionamento: Aborto: perda e renovação: um paradoxo na busca da identidade feminina (Paulus 2006) de Eva Pattis, uma psicanalista infantil de origem suiça, reconhecida em seu meio.

Conta Léon Bonaventure, com sutileza de um fino psicanalista para quem a espiritualidade constitui uma fonte de integração e de cura de feridas da alma.

Uma senhora procurou um sacerdote e lhe confessou que havia outrora praticado um aborto. Depois de ouvir sua confissão o sacerdote, com profundo senso humano lhe perguntou: “que nome havia dado ao seu filho”? A mulher, perplexa,  ficou calada por longo tempo.

Então disse o sacerdote:”vamos dar-lhe um nome. E se a senhora concordar vamos também batizá-lo”.

A  senhora anuíu com a cabeça. E simbolicamene assim o fizeram. Depois o sacerdote falou do mistério da vida humana. Disse: “há vidas que vem a esta Terra por 10, 50 e até 100 anos; outras jamais verão a luz do sol. No calendário litúrgico da Igreja há a festa dos Santos Inocentes, no dia 28 de dezembro, aqueles que Herodes mandou matar no momento em que a Divina Criança veio ao mundo. Que esse dia seja também o dia de aniversário de seu filho”.

“Na tradição cristã” continuou o sacerdote,  “os filhos eram sempre vistos como um presente de Deus e uma benção para a vida. No passado nossos pais iam à Igreja oferecer seus filhos a Deus. Nunca é tarde para você também oferecer seu filho a Deus”.

O sacerdote terminou sua fala com as seguintes palavras consoladoras:”Como ser humano não posso julgá-la. Mas se  você pecou contra a vida, o Deus da vida pode reconciliá-la com a vida e com Ele. Vá em paz e viva”.

O Papa Francisco sempre recomenda misericórdia, compreensão e ternura na relação dos sacerdotes para com os fiéis. Esse sacerdote viveu avant la lettre esses valores profundamente humanos e que pertencem à prática do Jesus histórico. Que eles possam inspirar a outros sacerdotes a terem a mesma humanidade.

 

 

 

69 Comentários leave one →
  1. Alexandre Spodarik Vieira permalink
    27/09/2014 2:30

    É incrível como a profundidade se encontra tão na superfície!

  2. 03051968Clvp permalink
    27/09/2014 2:55

    Penso que a tendência do mundo é vermos o crescimento progressivo de abortos praticado pelas mulheres. Efetivamente e invariavelmente é a mulher que o autoriza diante da omissão do parceiro e da fraqueza em assumir sozinha todas as conseqüências da mera busca do prazer físico e momentâneo.Embora muitos sejam os casos em que a questão financeira interfere e define a decisão da mulher em abortar, há ainda um movimento de mudança de comportamento feminino que contesta a opressão masculina sobre seu gênero e que reclama o direito de fazer sexo sem compromisso e conseqüências. As mulheres não mas entendem felicidade como sinônimo de procriação e de constituição de família. Há gerações menosprezando a natureza maternal. A felicidade está hoje nos prazeres pessoais físicos e materiais. Parece-me uma transformação desumana, mas cruelmente natural para os valores que o mundo dissemina. Emma Watson manifestou-se na ONU, e tocou esta questão de forma inusitada. Defende uma campanha #he for she, que levanta a opressão na educação dos gêneros. Uma menina defendendo a ideia que não se deve educar pessoas retransmitindo modelos de conduta opressora. Os adultos reproduzem o perfil comportamental aos quais foram submetidos pelas exemplos, palavras e tudo mais que pressentiram na infância. famosa, linda, herdeira rica, foi capaz de manejar também as ideias diante do mundo…Ingleses, sempre minando meus preconceitos!! As gerações vem se embrutecendo no afã de se libertarem da educação opressora de seus pais, e para o gênero feminino isto é gritante. Assim, vimos estarrecidos pessoas querendo uma nova identidade, mas não sabendo por onde começar, tornam-se desumanas com os outros, consigo mesmas. Essa desumanidade cresce a olhos nus. Um dos fatores é o disseminado marketing da “felicidade” que vende o estímulo do sexo cada vez mais… muitas crianças em tenra idade já despertam para a questão, gerando multidões de mães solteiras adolescentes por falta de recursos, porque muitas são as que conseguem recursos para operar o “milagre” do aborto em que todos os problemas desaparecem. No mundo continuamos como na criação. Brotar gente para realizar a aventura desconhecida do existir. E não há nada que detenha o tornado devastador da cultura do prazer pelo prazer. A campanha bem que poderia ser #she for He, não é mesmo. Ou melhor, a campanha poderia ser #we for We, já que nos encontramos oprimidos por nós mesmos. Os abortos se multiplicam, mais pelo descaso à vida, pela desumanidade latente, do que pela miséria, ou mesmo pela falta de formação religiosa. A hipocrisia nossa de cada dia nos faz a todos fariseus, por que toleramos a opressão entre os gêneros. A nós pais que transmitimos essas mensagens subliminares para nossos filhos. Será que nossa raça poderá se libertar desse tipo de opressão de forma menos cruel? Que Deus não permita que vejamos o ser humano justificar haver cometido aborto por legitima defesa do direito de não amor o outro, mais que a si mesmo. Sabemos que há um projeto salvífico que vem saindo da retórica. Francisco I, veio do fim do mundo, sobre o lombo de um burrinho, para resgatá-lo. Homem de Deus e do executivo,não fecha os olhos ao pior dos crimes dentro dos muros de Pedro. Campanhas digitais, projeto salvífico, Francisco…Deus e suas doses homeopáticas de esperança!

  3. 27/09/2014 6:11

    Uma reflexão pertinente sobre esse assunto que tem sido sempre usado como moeda de troca em campanhas eleitorais (ou eleitoreiras), mas nunca tratado como questão de saúde pública, o que de fato é.
    Parabéns pela sensibilidade.

  4. 27/09/2014 7:11

    Considero aborto um crime,é como querer impedir de fazer a chuva cair.A vida humana deveras preciosa,única.Mas o aborto é uma questão de saúde pública no risco da vida de milhares de mulheres que o praticam.Pessoalmente sou a favor da vida humana,a questão contra a discriminação do aborto sobremaneira complexa dever ser amplamente debatida por entidades médicas,jurídicas,implementação de políticas públicas da saúde da mulher no planejamento familiar.Cabe a função das instituições religiosas em alertar o trauma e sequela para mulher que o faz.Mas compaixão e o perdão devem permear todos os setores da sociedade civil nessa questão.Crimes brutais constituem a miséria humana,a fome,a a agressão a natureza no comprometimento a vida humana das futuras gerações no Planeta.Considero que deve ser realizado um plebiscito.em relação a discriminação do aborto na sociedade brasileira.Os direitos adquiridos na Constituição devem ser assegurados.

  5. 27/09/2014 7:41

    Bom dia, uma pergunta: O Mestre defende que haja a convivência entre aqueles que acreditam por fé e crença que não devemos permitir o aborto com aqueles que defendem a regularização e legalização do aborto que já existem a séculos e séculos ? Ou seja , quem não quiser fazer o aborto que não faça e quem quiser fazer por querer ou por precisar , que faça com ajuda e apoio do estado e todas as condições de acompanhamento médico.

  6. 27/09/2014 8:20

    Prezado Sr. Leonardo, conheci vossa literatura tardiamente, dia a dia o acompanho, meu coração se sente aliviado e renovado a cada nova leitura ou entrevista que encontro!
    Parti a pouco ao estudo da Filosofia e da Espiritualidade as vezes penso em desistir certos pontos parecem por demais confusos para o entendimento do meu conhecimento que é limitado. Obrigado por nos ajudar a pensar de maneira tão clara e objetiva.
    Um grande abraço meu Irmão!

  7. Yuri Saladino permalink
    27/09/2014 8:58

    Um excelente e belo texto. Também sou contra o aborto, mas acho que existe uma postura hipócrita e desumana de muitos tradicionalistas sobre esse tema. Viver Cristo não significa idolatria dogmática.

  8. 27/09/2014 9:09

    Leonardo Boff e sua leveza ao nos proporcionar reflexões….

  9. CRISTIANE SAUERESSIG permalink
    27/09/2014 9:23

    tambem sou contra o aborto. mas emociona-me o acolhimento e a sensibilidade deste sacerdote. faz refletir.

  10. 27/09/2014 9:24

    Que lindo! Que todas as mulheres que se viram forçadas a um aborto possam ler as palavras desse sacerdote!

  11. Gabriel permalink
    27/09/2014 9:32

    Sr, Leonardo Boff, Com absoluto respeito, já passou da hora de ficar culpando a sociedade pelas mazelas e escolhas erradas individuais de cada ser humano. Parte da minha família vem da absoluta pobreza e justamente são eles as minhas maiores referencias de retidão, honestidade e caráter, porque embora pobres e sem recursos foram criados em absoluto respeito ao ambiente católico. Felizmente essa Teoria da Libertação que inicialmente indicava boas intenções está cada dia mais desmoralizada e desconexa. Se pobreza fosse justificativa para o mal, o que seria das nossas vidas? Esqueça sua mágoa em parte até justa com a Igreja Católica e volte ao caminho de Deus, independente de religião. Pare de propagar esses absurdos e utilize de maneira correta a sua enorme e abençoada inteligência em nome de Quem a concedeu. Um fraterno abraço! Gabriel.

    • 05/10/2014 13:03

      Gabriel,seria bom vc ler o que o atual Papa Francisco diz continuamente na linha da teologia da libertação que na Argentina se chama teologia do povo ou da cultura oprimida. E ele era e é um praticamente desta teologia. Enquanto houver algum grito por fome ou injustiça social vale alguem se empenhar por sua libertação. Caso contrario Jesus teria morrido em vão. A teologia da libertação nasceu deste sentimento que espero que vc o alimente tambem, pois parece temente a Deus
      lboff

  12. Fernanda permalink
    27/09/2014 10:25

    Concordo , temos que deixar de lado a questão religiosa
    e pensar em politica social e saúde pública, que Deus tenha compaixão dessas mulheres.

  13. savio domingos permalink
    27/09/2014 11:38

    Gracias por estas palabras q son d una profundidad y d una claridad q no podmos discutir sino q dbmos reflexionar pues está en juego el valor d la vida. Él q la ama, la dfiend y la promueve, la conserva y la conmunica, jamás la
    rechaza o la dstruye.

  14. Marilia Jardim permalink
    27/09/2014 12:14

    Um exemplo de misericórdia belíssimo!

  15. Carlos Augusto Machado permalink
    27/09/2014 12:26

    O texto expressa as minhas reflexões sobre o tema. Mas o tocante mesmo sobre o texto é o testemunho de um sacerdote reconciliando uma pessoa com a sua fé, e eu acredito que se existe uma função sacerdotal por excelência, o exemplo representa bem essa função, a de religar.

  16. Michele dos Santos permalink
    27/09/2014 12:27

    Eu só acho que quem não quer ou não tem condições de ter filhos deve evitar uma gravidez indesejada,para que depois não venha usar o seu não desejo de ser mãe ou a sua não condição de cria-los pra poder tirar-lhe o direito á vida. Existem muitos métodos de contracepção e muitos deles são bem acessíveis, inclusive nos postos de saúde.

  17. Tarciso permalink
    27/09/2014 12:30

    Sou contra qualquer tipo de aborto, qualquer que seja o motivo. Matar um ser que foi concebido com a permissão de Deus?
    Melhor viver a gravidez e após o parto doar para adoção. O peso será menor que o de um assassinato de indefeso.

  18. João Pedro Bohrer permalink
    27/09/2014 14:14

    Vocês sabiam que esse dado de que 800 mil abortos clandestinos são realizados anualmente é mentira?

    • 05/10/2014 12:58

      João Pedro,
      Pergunte ao ministerio da saude….O proprio O Globo num editorial (é um jornal conservador) cita este número (é de umas duasa semanas atras). Procure no Google antes de dizer que é mentira.
      lboff

  19. 27/09/2014 15:20

    Sou grata a Deus por ser contemporânea de uma pessoa como o teólogo Boff!!!! Essa humanidade dele me encanta!!! Deus te ilumine, sempre!!!!

  20. Elena Doro permalink
    27/09/2014 16:22

    sou a favor da liberdade de escolha, o crime contra DEUS deve ser julgado por Êle

  21. Yuri Saladino permalink
    27/09/2014 16:44

    Eu acho que essa discussão sobre o aborto está além de ser a favor ou contra. É uma uma discussão que necessita de uma reflexão sobre saúde pública.

  22. Stella Lorena permalink
    27/09/2014 17:10

    “Custa-me crer que haja pessoas que defendam o aborto pelo aborto.” A mim também custa que essa situação seja questão apenas de sim ou não à prática ou sua liberação. Parabéns pelo texto, em especial, pela história que ilustra situações de tamanha dor vividas por tantas pessoas que muito mais do que justiça esperam por misericórdia. Boa tarde!

  23. Lázaro Pacheco permalink
    27/09/2014 19:19

    Caro Leonardo Boff, penso também que ninguém defende o aborto pelo aborto, e sim com um propósito, dentre os quais cito: o favorecimento à classe médica (ora, fazer aborto gera dinheiro para médicos, enfermeiros, empresários da saúde, etc. etc.!); o ato de “limpar-se” da “sujeira” feita (ou seja, defender o aborto significa defender o apagamento, o esquecimento das causas que levaram as pessoas – pai e mãe – a fazer o embrião a ser abortado, bem como limpar-se das responsabilidades… parodiando uma música, é a triste fórmula “abortou, tá nova”!); e a defesa de uma suposta “liberdade” em decidir “sobre o próprio corpo”, esquecendo-se de que, como o senhor menciona, o aborto é a eliminação de uma vida. Sem contar os que defendem o aborto como modo de controle de natalidade ou que negligenciam os problemas psicológicos que advêm de tal prática, ao não permitir que a mãe e o embrião perseverem no seu ser segundo a natureza própria de cada um. Vejo também que o mais são a ser feito para a mãe e a criança é que esta nasça e depois seja dada à adoção, caso a criança não possa ser cuidada ou ter sido fruto de estupro. Além disso, temos à nossa disposição o método natural de controle de natalidade Billings, fácil de ser usado e com altíssimo índice de satisfação para os que aprendem o método e não se deixem levar tanto pelas paixões – caso essas ainda sejam tão avassaladoras assim, resta aos enamorados outros métodos de controle, os quais são de fato um grande negócio que favorece ao capitalismo globalizado – regimes de trabalho próximos à escravidão em países pobres como a Tailândia são os responsáveis pela produção de métodos vendidos em larga escala ao mundo inteiro. Por fim, concordo contigo na humanização do tratamento que somos chamados a ter com as pessoas, largando a velha mania de esquecer o próximo ao relento, sem qualquer apoio afetivo, pois é nessa falta de apoio, de entendimento, de planejamento, de raciocínio, etc., é que conduz o aparecimento da triste e torpe ideia do aborto. Um serviço pastoral a jovens, adolescentes, adultos sobre como viver a maternidade e a paternidade com responsabilidade e coerência me parece uma profilaxia que os cristãos têm todas as condições de fazer – afinal, se Maria e José seguiram com a gravidez em frente apesar das dificuldades materiais e culturais de seu tempo, que motivos teríamos para não apoiar a vida que nasce e aquele pai e aquela mãe que sofrem algo que lhes faz perder a esperança? Deus nos abençoe com o Espírito missionário para que a Vida seja respeitada em todas as fases, apesar de todas as dificuldades mas com a esperança de o amor divino em nossas vidas pode se transformar em dom derramado aos demais.

  24. Lidiane permalink
    27/09/2014 20:31

    Muito bom ler isso. Estou cansada de argumentos simplistas e egoístas. Também sou contra pelos mesmos motivos, mas também sei que as pessoas fazem e devem ter o direito de fazê-lo com segurança.

  25. Alfredo permalink
    27/09/2014 20:34

    Óptimo texto estimado Leonardo.

  26. 27/09/2014 22:13

    Acredito que a maior vítima de um aborto é a criança abortada. Ver mães e pais matando seus filhos, antes mesmo de nascer e ainda serem justificados pela lei, como em muitos países, é uma das maiores injustiças da humanidade. É como se o assassinato de um ser humano, no seu estágio mais frágil e dependente, fosse algo aceitável. Isso não é questão de fé, isso é direito humano, é respeito à dignidade do ser humano. Ninguém tem o direito de decidir sobre a vida ou a morte de ninguém. Como disse Madre Tereza de Calcutá: “Se uma mãe é capaz de eliminar o próprio filho, como se podem impedir os outros de se destruírem mutuamente?”.

  27. Jesus permalink
    27/09/2014 23:01

    QUEM MATA UMA CRIANÇA INDEFESA É ASSASSINO!

  28. Sylvia Andrade permalink
    28/09/2014 8:23

    Só uma pessoa sem um mínimo de humanidade seria a favor do aborto por julgar algo natural. Sou contra sim, mas fechar os olhos para o que acontece em nosso País é tão ou mais cruel que o aborto…… é preciso enfrentar o problema de frente sem preconceitos e com muito amor.

  29. Victor Hugo permalink
    28/09/2014 9:48

    Como se contabilizaram esses 800 mil abortos clandestinos? Em atenção à verdade, creio que esse dado carece de fundamentação.

    • 01/10/2014 1:16

      Victor Hugo
      Este dado está em muitos jornais. Até num editorial de O Globo da semana passada. Não se inventam números carregados de sofrimento e angústia.
      lboff

      • fabefo permalink
        28/06/2016 2:16

        Me surpreende q o senhor nao saiba q existe uma agenda mundial q visa o controle populacional (fundacao ford e instituto rockfeller, entre outros), que gera estatisticas mentirosas e as propaga atraves dos nossos mediocres “meios de comunicacao” para justificar a industria abortista

  30. Ana Virgínia Costa permalink
    28/09/2014 11:24

    Que texto ! Que linda a atitude do SACERDOTE com a MÃE ! Emocionante !

  31. Laura permalink
    28/09/2014 20:38

    Exato e preciso.
    Não imagino uma mulher -ou um casal- planejando um aborto: “Ai amor, vamos transar, hoje? Estou tão afim de te ver abortar no Carnaval” ( …. !!!???)
    Sao hipócritas ou ignorantes aqueles que preguntam “Você é a favor ou contra o aborto?”. Ninguëm pode ser a favor do aborto. Mas todos debemos ser a favor da dignidade humana!

  32. Sueli Aparecida da Silva Evangelista permalink
    28/09/2014 21:02

    sou contra a legalização do aborto, pois se clandestinos acontecem por ano cerca de uns 800 mil, legalizando, pode acreditar que este número será muito maior, irá triplicar..Legalizar é tapar o sol com a peneira, é trocar meia dúzia por seis…Que essas mães em vez de abortarem, possam, amparadas pela justiça, sem muita burocracia, entregar para adoção então…Também não se deve descriminar uma mulher que cometeu aborto, nosso Deus é de misericórdia, não nos cabe julgar, mas deve, o estado, oferecer condições de uma gestante ter seu filho dignamente e não oferecer o aborto através do SUS como solução….Recorre a legalização do aborto como solução quem não quer trabalhar, arregaçar as mangas para lutar em favor da vida, pura preguiça mesmo, como acontece em muitos serviços públicos por ai…

  33. Luciano Leão Bernardino da Costa permalink
    29/09/2014 9:32

    Penso que, quando muitas pessoas estão preocupadas em valorizar cada vez mais a mulher, reconhecendo sua importância e seu potencial (temos duas candidatas à presidência do país), é um contra-senso que lhes seja negado o direito de gestarem com o desejo de que o concepto seja recebido com amor, o mesmo amor que deve te´-lhe proporcionado a vida, a partir de seus pais, de ambos os pais. Caso algum deles não se veja compelido a assumir sua condição de pai ou mãe, pouco se pode esperar quanto à vinda com amor e carinho do novo ser. É desumano abortar? É desumano não amar a quem foi gerado a partir de dois seres humanos? Qual é o pior? De qualquer forma, acho que à mulher deva ser dado o direito de ser acolhida em situação de desespero, de ser aceita em sua decisão e de ser respeitada como tal. Luciano Leão.

    • Debora permalink
      01/10/2014 17:30

      Na verdade são três candidatas à presidência: Dilma, Luciana e Marina.

    • Claudia Bugarin permalink
      01/10/2014 20:35

      É desumano o abortar. Não devemos criminalizar as mulheres que abortam. Mas existem inúmeros métodos contraceptivos, por que tantas mulheres ainda são surpreendidas por gravidez não planejada? O direito da decisão sobre ter ou não filhos é garantido, mas essa decisão deve ser feita antes de consumada a beleza suprema da fecundação. Legalizar o aborto é o mesmo que ignorar que a vida se inicia no momento da fecundação, e que há infinitas maneiras de impedir a gravidez. Infelizmente está se popularizando a idéia de que é mais grave comer um pedaço de carne ou frango (vegetarianismo) do que interromper a gestação de um embrião no ventre da mãe… É a Nova Era, mudança de paradigma…

  34. 29/09/2014 10:37

    Acho que falta às pessoas o real sentido do amor e de amar. É fácil amar e ensinar àquele que vive à sua volta. Difícil é ter a coragem e a compaixão de amar aquele que não faz parte do seu meio, mas que precisa mais de amor do que qualquer um. Sei que muitos abortos infelizmente são realizados por mulheres conscientes de seu atos. Mas também sei que muitos deles são realizados por mulheres que, por sofrimento, falta de amor, falta de conhecimento e falta de juízo perfeito, decidem tomar esta atitude. Concordo que os governos deveriam tomar atitude. Mas ainda acho que o nosso maior problemas é a mentalidade de toda a sociedade, com seus pré-conceitos, seu egoísmo e sua falta de amor.

  35. daniel costa permalink
    29/09/2014 11:24

    A vida é feita de um material delicado, como uma porcelana que se deve ter o maior cuidado , é lindo ver a vida sendo cuidada como uma rosa principalmente quando se diz respeito a liberdade de escolha, privacidade e do corpo do outro.

  36. daniel costa permalink
    29/09/2014 11:33

    Paz e bem, estava vendo a historia de Dom Carlos Duarte da Costa um bispo que lutou pela liberdade religiosa e também pelo povo pobre, dando caminho as religiões diversas terem voz e liberdade para adorar a Deus cada um da sua maneira. Em uma de minhas pesquisas foi falado sobre a teologia da libertação, o senhor comunga das mesmas idias deste bispo? o que o senhor a pensa sobre ele? muito obrigado.

  37. Lázaro Pacheco permalink
    29/09/2014 12:19

    Obrigado por não aceitar o meu comentário!

    • Lázaro Pacheco permalink
      29/09/2014 12:21

      perdão, favor desconsiderar o que escrevi acima, é que meu navegador não mostrou que meu comentário estava esperando por moderação, parecia que simplesmente não tivesse sido aceito!

  38. Claudia Bugarin permalink
    29/09/2014 15:32

    A defesa da vida tem que ser intransigente, inegociável. A morte não é relativa, é absoluta. Há ecologistas que defendem o direito dos animais a vida e que, não obstante, consideram a prática do aborto necessária: um ovo de galinha vale muito mais do que a vida de um embrião humano.

  39. 29/09/2014 20:52

    Defender a vida antes de sua luz, e calar-se com a vida depois da luz é um problema que tem que tem que ser resolvido para legitimar a defesa da vida antes da luz.

    A Igreja, que tanto queimou em nome de Deus, vidas depois da luz, como pode se sentir legitimada na sua omissão com a dizimação da vida depois da luz. O Capitalismo é mais forte, a História tem dito.

    Como pode ter-se flagrado tanto representantes de Deus com suas bestiais pedofilias, possuir legitimidade para serem porta vozes do “não se tocar nas vidas antes da luz”.

    Suponha-se que determinado pai, ou mãe que tenha seu filho vitimizado por pedofília de tantos Ministros de Deus, os mesmos que paradoxamente ou contraditoriamente defendem a vida sem a luz, ao mesmo tempo em que a vida com luz sofre os abusos mais indignos e repudiantes destes mesmos Ministros .

    O que se diria; “deixem seus filhos virem à luz, pois estamos aqui para nós “comê-los.” Ou, estão condeandos ao vício mortal do “crack” e nós, da Igreja “somos impotentes”.

    Ou, Eles irão a seguir para o Céu. Ou se forem mulçumanos, terão como prêmio de seu sacrifício 75 virgens o esperando no Reino dos Céus.

    ANTES DA VIDA COM LUZ, A PRIORIDADE , POR ACASO, NÃO HÁ QUE PERTENCER À VIDA COM LUZ? __________________________________________________________________________QUE MORAL E ÉTICA POSSUI AQUELE QUE É IMPOTENTE EM DEFENDER A VIDA APÓS O NASCIMENTO; MAS, AINDA, QUE NADA FAZEM, POR OMISSÃO OU IMPOTÊNCIA, ANTE O GENOCÍDIOS OCORRENTES E RECORRENTES COM UMA POPULAÇÃO DE MILHARES OU MILHÕES DE CRIANÇAS COM FOME, DOENÇAS E PEDOFILIZADAS?
    ACABO DE OUVIR O Papa Francisco dizer: “o importante é CURTIR O MOMENTO, e que vocês sejam revolucionários”.

    QUE REVOLUÇÃO? A REVOLUÇÃO DE SALVAR AS VIDAS DE NUMA SOCIEDADE CONTRADITÓRIA; OU, UMA TRADIÇÃO QUE SE MATE EM VIDA; Mas, não se mate em gestação, na instância incosciente DESTA VIDA ?

    Há prioridades, ou concomitantemente se defenda a vida consciente e a vida insconsciente? _______________________________________________________________________________Mas, só vejo a defesa sectária da vida em formação, assim, de nada adiantou ” A CHACINA DE OITO CRIANÇAS, LARGADAS NAS RUAS, NA PORTA DA IGREJA DA CANDELÁRIA.

    NÃO RESOLVIDOS ESTES PARADOXOS E ESTAS CONTRADIÇÕES, QUE NÃO SE IMISCUAM NAS VIDAS DAS MULHERES E SEUS CORPOS, POIS NINGUÉM MELHOR QUE CADA UMA DELAS VIVEM UMA DIMENSÃO ESPECIAL DE SUAS REALIDADES PRÓPRIAS. O RESTO É O “SIMULACRO DA SANTA INQUISIÇÃO” E ABJETAS PRETENSÃO DE TUTELA DO OUTRO, EDE QUEM POSSUI TELHADOS DE VIDRO, OU NÃO?
    RIO, 29/09/2014.
    MARCO MAGIOLI.

  40. Fernando Neves permalink
    30/09/2014 1:35

    Embora ateu, fui criado católico. Nao compartilho de muito da vossa visao, mas dentre de todos os religiosos foi a mais próxima do resultado final de argumentação que defendo, e creio entao que seja suficiente.

    Impressionou-me a história contada, do pio sacerdote que absolveu a mae que abortara.
    Contudo , é do meu entender que a Igreja católica imediatamente excomunga qualquer um que se envolva na prática de aborto.

    Ainda se mantem essa doutrina?

  41. 30/09/2014 12:06

    Belas e inspiradoras palavras. Clérigos e não clérigos de diferentes religiões deveriam sentir a profundidade da ação deste padre. O aborto não deve ser banalizado, mas também não pode ser criminalizado. Aquela que carrega em seu ventre a vida deve decidir por seu livre arbítrio o que deve ser melhor para os dois. Cabe à sociedade ajudá-la nesta decisão, dando-lhe assistência. As pessoas, no afã de serem bons cristãos, esquecem de ser boas pessoas. Justificam seus próprios preconceitos e medos nas palavras da Bíblia e escolhem o trecho deste livro que mais lhe convém para usar como defesa de sua intolerância. Amor, esta é a principal mensagem de Cristo; compaixão foi Sua principal arma; caritas sua principal doutrina. Não ao aborto criminalizado, Sim a vida!

    • Claudia Bugarin permalink
      03/10/2014 0:34

      A compaixão deve se dirigir a todos os seres humanos, e a minha liberdade termina onde começa a do outro. O apoio deve ser dado à mulher para que não precise abortar. Não devemos amar mais a mãe do que o filho. A vida começa no momento da fecundação. Como querer que o direito seja garantido à mulher, em detrimento do direito à vida de outra pessoa, com quem esta mulher tem uma laço profundo? Essa fecundação aconteceu por uma ação voluntária desta mulher. A responsabilidade da gestante sobre esse ser não pode ser ignorada! Se não, o que se vai assistir será um aumento no número de abortos realizados.

  42. Douglas permalink
    30/09/2014 16:10

    Boff para defender Dilma (PT) passa a defender até o aborto. Pois é, como disse Groucho Marx: Esses são os meus princípios. Se você não gosta deles, eu tenho outros.

    • 01/10/2014 1:10

      Douglas, leia o artigo onde digo exatamente que sou contra o aborto. A cegueira ideologica translê o texto
      lboff

      • Douglas permalink
        01/10/2014 11:30

        Entendo, sou contra o aborto mas apoio quem o defende. Um parágrafo para dizer que é contra e 11 parágrafos para defender os abortistas. Um afago para 11 apunhaladas.
        Steve Jobs uma das personalidades mais marcante da atualidade foi abandonado por sua mãe quando nasceu. Sobre sua mãe, ele disse: “Eu queria me encontrar com ela em grande parte para ver se ela estava bem e para agradecer a ela, pois me alegro que não terminei abortado”, disse ele. “Ela tinha 23 anos e estava passando por muitas dificuldades para me ter”.
        Pergunto: Não seria este um caminho melhor para uma gravidez indesejada? Ou o melhor caminho é o que disse a presidenta Dilma : “tirar um embrião é como arrancar um dente”.

      • Douglas permalink
        02/10/2014 12:23

        Entendo, sou contra o aborto mas apoio quem é à favor. Um parágrafo para dizer que é contra o aborto e onze para defender os abortistas.

      • Claudia Bugarin permalink
        03/10/2014 1:31

        Não se deve criminalizar a mulher que comete o aborto, mas, se aprovarmos a legalização, estaremos a corromper a consciência das mulheres, que sentem, mais do que ninguém, que o aborto causa sofrimento não só ao feto, mas também à mãe que o realiza. O aborto é sempre realizado sob pressão! Se não fosse assim, as mulheres não o fariam. Se sentem coagidas, não estão exercendo o livre arbítrio. Agir com solidariedade e compaixão é apoiar a mulher e acolhê-la, junto com a vida que está sendo gerada no seu ventre. Os altos números de abortos realizados anualmente são um sintoma da nossa indiferença, do nosso individualismo, pois não estamos agindo para minimizar as condições adversas que levam as mulheres a acreditar que não têm saída. Legalizar o aborto é matar a mulher, o filho e a fé. Eu faço um desafio: conversem com um grande número de mulheres que abortaram e perguntem como elas se sentem com relação à interrupção da própria gravidez. Verão que a maioria delas se arrepende e não teria feito a mesma coisa se vislumbrasse uma saída; que não está em paz com a sua consciência, que sofreu, que se deprimiu e que ainda sofre. Em seguida proponho uma rede de suporte para conversar com as famílias, com os patrões, com os namorados, maridos e outros e orientá-los para respeitarem as gravidezes não planejadas e talvez indesejadas, Hoje não é segredo que as jovens iniciam sua vida sexual antes do casamento, que a mulher tem o poder sobre a própria sexualidade. Vamos nos tornar uma verdadeira comunidade, orientada pelos valores que Jesus Cristo veio nos ensinar!

  43. 01/10/2014 8:14

    Prezado Frei Leonardo, conheci vossa literatura tardiamente, dia a dia o acompanho, meu coração se sente aliviado e renovado a cada nova leitura ou entrevista que encontro!
    Parti a pouco ao estudo da Filosofia e da Espiritualidade as vezes penso em desistir certos pontos parecem por demais confusos para o entendimento do meu conhecimento que é limitado. Obrigado por nos ajudar a pensar de maneira tão clara e objetiva.
    Um grande abraço meu Irmão!

  44. Yuri Saladino permalink
    01/10/2014 19:22

    Texto maravilhoso!

  45. 02/10/2014 3:58

    http://flaviaviland.wordpress.com/2014/09/29/nunca-fui-com-a-cara-dos-que-sao-contra-o-aborto/ gosto muito dos seus textos Leonardo, acho sim que devemos discutir mais sobre o A OPCAO do aborto que é negligenciada a quem precisa, e tenho profunda certeza que quem é menos humano é quem diexa as criancas crescerem com infraestrutura carente, carente de mae, de pai de amor comida e esperança de uma vida sem medos ou estresses maiores.

  46. Angelo Lima permalink
    04/10/2014 19:36

    Boff, vc pode ser contra o Aborto, mas o governo Dilma está matando nossa esperança de ter um país melhor. Por que somente o PT sabe e deve governar o país? Por que depois de Dilma deve vir outro do PT para nos governar? Não estaria na hora de unir o Brasil pela melhoria do Brasil, não loteando cargos com Sarney, Renan, etc. E a Petrobras?? Pense nisso e converse com seus aliados. Para o Brasil ganhar, há de perder o apego ao poder.

    Essa política economica de juros altos, inflação, não apoio ao etanol, energia eólica. etc.

    Se ela vencer, tenha uma conversa franca com ela e não apoio uma nova eleição do PT em 2018.

    Mas será que vc é apegado ao poder tb?

    Abraço fraterno

  47. 16/10/2014 13:53

    No texto foi dito o seguinte “Cabe ao Estado e à toda a sociedade criar as condições para que as mães não precisem abortar” Entretanto eu digo, ” Cabe ao Estado e à toda a sociedade criar condições e consciências nas mães para que evitem a gravidez” . Existem métodos contraceptivos que sou favorável: o DIU, pílula do dia seguinte, preservativos,etc, etc. Com tantos meios para que se evite a gravidez, por que matar embriões, e crianças indefesas!? Portanto, há a necessidade de educar a população para evitarem a gravidez, e não fomentar o crime do aborto!
    Obriagado

  48. 16/10/2014 14:07

    Esclarecendo: o que é o embrião: O principal produto da fecundação é o ovo, que inicia a divisão por mitose até dar origem ao embrião, formando todos os tecidos presentes nos animais.(portanto, esses métodos contraceptivos atacam o OVO, antes portanto do embrião, que em muitos casos já têm certa consciência..)

  49. Eric permalink
    01/12/2014 21:15

    Lboff

    Gostaria humildemente que me respondesse essa perguntas

    1- Apoiar o aborto não seria um incentivo as pessoas abortarem mais ?
    2- É justo um inocente pagar com a vida um ato que uma pessoa fez conscientemente e depois se arrependeu ?
    3 – O Estado precisa e deve tomar para si uma responsabilidade que deveria ser do próprio indivíduo ?
    4 – Você não considera o aborto uma espécie de assassinato talvez mais cruel por matar alguém totalmente indefeso e que deveria ser amado por quem o concebeu ?
    5 – Se você pudesse escolher entre nascer pobre e mendigo ou ser morto antes de nascer o que escolheria ?

    • 05/12/2014 1:24

      Eric,consulte algugm livro de ética cristã e terá as respostas. Aqui não é lugar de tratados. Entre no meu blog deste ano e há um artigo sobre o aborto.
      lboff

  50. Saullo permalink
    03/10/2015 0:19

    “A cada dois dias morre uma mulher vítima de um aborto clandestino mal assistido”… O problema é que as pessoas abortadas também morrem, com suas assassinas, a cada 2 dias, e também morrem no outro dia em que a assassina não morreu. A vítima aqui não é a assassina não.

Trackbacks

  1. Belgrado podrá celebrar su Orgullo Gay, aunque con las amenazas de los extremistas | MANHAS & MANHÃS
  2. Aborto, tema ignorado pela sociedade, fica excluído também do debate eleitoral - Mídia, Religião e Política

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: