Skip to content

O clamor dos indígenas que precisamos ainda ouvir

25/10/2014

A causa indígena nunca foi resolvida no Brasil. A toda hora se ouvem invasões de terras indígenas para dar lugar ao agronegócio. Homologação de suas terras são proteladas. E há assassinatos e suicídios misteriosos entre os guarani.

Não obstante, deram-se alguns avanços que cabe reconhecer como a demarcação e homologação em área contínua da terra Yanomami contra a pressão de meia dúzia de arrozeiros, apoiados pelo latifúndio pelo agronegócio; a devolução da terra indígena xavante Marãiwatsédé na Prelazia de São Felix do Araguaia, de onde haviam sido arrancados à força há 40 anos atrás. A mesma coisa não ocorreu com a terra dos Guarani Kaiowá, Guyraroka, que o STF com os votos dos ministros Celso Mello e Carmen Lúcia rejeitaram o voto de relator do processo o ministro Ricardo Lewandoski. Em nenhum momento a comunidade indígena foi consultada e o latifundiário que as ocupou, ganhou o direito sobre os 12 mil hecatares das terras tradicionais.

Casos como estes são frequentes, por mais que a Funai e o CIMI (Centro indigenista missionário da Igreja Católica) se empenhem em sua defesa. Neste contexto vale recordar O Manifesto da Comissão Indígena 500 anos (1999) expressando o clamor de 98 diferentes povos originários. Eles denunciaram com veemência:

”Os conquistadores chegaram com fome de ouro e de sangue, empunahando em uma das mãos armas e na outra a cruz, para abençoar e recomendar as almas de nossos antepassados, o que daria lugar ao desenvolvimento, ao cristianismo, à civilização e à exploração das riquezas naturais. Estes fatores foram determinantes para o extermínio de nossos antepassados….”

“O dia 22 de abril de 1500 representa a origem de uma longa e dolorosa história…Afirmamos nossa divergência clara e transparente com relação às comemorações festivas do V centenário, por atentar e desrespietar nossos antepassados, mortos em defesa de seus filhos, netos e gerações futuras. E por negarem nosso direito à vida como povos culturalmente diferenciados…”

“Pretendemos sim, celebrar as conquistas ao longo dos séculos, plenas de heróis anônimos, que a história se nega a reconhecer. Celebramos sim, as vitórias que nos custaram tantas vidas e sofrimentos, porém trouxeram a determinação e a esperança de um mundo mais humano, de solidariedade”.

“Celebraremos também o futuro, herdeiros que somos de um passado de valorização da vida, de ideais, de sonhos deixados por nossos antepassados. Apesar das desigualdades e injustiças, estamos cientes da importância de contribuir para a consolidação de uma humanidade livre e justa, aonde índios, negros e brancos vivam com dignidade”(Jornal do Brasil de 31 de maio de 1999). Na campanha presidencial nunca se abordou com seriedade esta demanda histórica dos indígenas.

O que poderíamos esperar dos portugueses que durante quinze séculos passaram pela educação cristã? Que ao verem aqueles belos corpos na praia, espreitando curiosamente a chegada das caravelas, exclamassem: “Que bom! Descobrimos mais irmãos e irmãs. Vamos abraçá-los e beijá-los como membros da grande família de Deus, representantes diferentes do corpo místico de Cristo”. Nada disso ocorreu.

Depois do primeiro encontro pacífico, cheio de lirismo descrito pela carta de Pero Vaz de Caminha, tudo mudou. Vieram com a cobiça pelas riquezas da terra. Moveram-lhes guerras, chegaram a negar-lhes a humanidade e, apesar de sua inocência e bondade natural, atestadas por todos os primeiros missionários, consideraram-nos faltos de salvação. E os subjugaram e os batizaram sob medo.

Alguma coisa falhou no processo de educação e de evangelização dos europeus, notadamente dos espanhois e dos portuguses que impediu que ocorresse verdadeiramente um encontro de pessoas e de culturas. O que houve foi uma negação pura e simples da alteridade.

O assim chamado “descobrimento” equivaleu a um encobrimento e a um apagamento do outro, da história dos povos originários do Brasil e de Africa. Também não significou um “encontro” de culturas mas uma invasão. O que de fato ocorreu foi um imenso desencontro, um verdadeiro choque de civilizações com o submentimento completo dos negros e dos indígenas mais fracos. Até hoje fica a marca deste ato fundacional nas formas como discriminamos os indígenas, não respeitando suas terras sagradas e mantendo preconceitos contra os afrodescentens, aqueles que construiram quase tudo do Brasil.

10 Comentários leave one →
  1. Joaquim Mattar permalink
    25/10/2014 19:13

    http://www.diritto.it/docs/25854

  2. 25/10/2014 20:38

    Republicou isso em Félix Milezye comentado:
    Caros precisamos olhar melhor pelos verdadeiros donos das nossas terras.

  3. 25/10/2014 21:27

    Republicou isso em coração filosofante.

  4. simone sarmento lima permalink
    26/10/2014 11:55

    Infelizmente, a causa indígena não será ouvida.Não, no Brasil, mas em outras paragens pelo mundo. Não é feitio nosso usar a escuta para a realidade. Sempre vivemos no faz de conta. O nosso pé no colonisalismo é muito forte, daí, os preconceitos impedirem as mudanças de que tanto precisamos. Questão pol´tica? Sim, mas não só política, humana. Falamos muito, os ditos são os mais variados possíveis, e se vc não for da mesma opinião, então, é que não terá vez mesmoooo.
    A voz dos índios não sai do balbuciar até hoje, mesmo que sejam esclarecidos em muitas coisas. Eles só compõem a paisagem!!! Porém, quem manda é o chefe. Não,hoje em dia são muitos os chefes nesse país multifacetado. O futuro do indígena é uma ilusão.

  5. 26/10/2014 15:34

    Republicou isso em Windows Live Space: Imperator.

  6. 26/10/2014 21:06

    Republicou isso em luveredas.

  7. willijane permalink
    27/10/2014 17:38

    Leonardo Boff questiona a ação do governo frente aos povos indígenas. Eu fico também a me perguntar qual a ação frente aos sem terras?.

  8. Luciano Leão Bernardino da Costa permalink
    07/11/2014 12:01

    Infelizmente as “descobertas e colonizações” das nações latino-americanas significou uma total destruição de centenas de povos indígenas, com sua cultura milenar, seu modo de vida, hábitos alimentares, sociais e religiosos. Simplesmente passou-se uma régua no que existia até então, desconsiderando-se totalmente o ser humano diferente que havia em cada indígena de cada país latinoamericano. Portanto, estamos devedores e obrigados a tentar repor um mínimo daquilo que nossos antepassados portugueses e espanhois, em especial,lhes retiraram por cobiça, desamor, orgulho, soberba e tantas outras desqualificações. No entanto, a meu ver angustiante constatação, não vejo em qualquer estrutura de poder, em especial a federal,ações concretas para alguns encaminhamentos que minimizem a situação de descalabro hoje existente em relação aos nossos dignos e mais antigos moradores do Brasil

Trackbacks

  1. Existem diferenças fundamentais entre Dilma e Aécio. É preciso ter olhos para ver | MANHAS & MANHÃS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: