Skip to content

DILMA E O GRUPO EMAÚS: Frei Betto

08/12/2014

A presidenta Dilma recebeu, a 26/11, uma delegação do Grupo Emaús: Leonardo Boff, Márcia Miranda, Maria Helena Arrochellas, Luiz Carlos Susin, Rosileny Schwantes e eu. Entregamos a ela a carta “O Brasil que queremos”, com críticas e sugestões ao governo. E insistimos no diálogo com os movimentos sociais.

O Grupo Emaús existe há 40 anos. O nome deriva do episódio evangélico (Lucas 24, 13-35), no qual Jesus ressuscitado, a caminho do povoado chamado Emaús, encontra dois discípulos abatidos por ele ter sido crucificado sem que suas promessas se cumprissem.

Sem se darem conta de que estão acompanhados pelo próprio Jesus, ouvem o que este diz e, enfim, abrem os olhos da fé e, no jantar em Emaús, reconhecem, ao partilharem o pão, a presença viva daquele que fora crucificado.

A ideia do grupo nasceu de frades dominicanos encarcerados sob a ditadura. A teologia da libertação despontava na América Latina. Leonardo Boff havia lançado, em 1972, no Brasil, seu “Jesus Cristo libertador”, e Gustavo Gutiérrez, no Peru, “Teologia da Libertação” (1971), dedicado ao padre Henrique Pereira Neto, assessor de Dom Helder Camara, assassinado no Recife pela ditadura.

Nossa proposta era aglutinar teólogos e assessores de Comunidades Eclesiais de Base em um grupo capaz de dar consistência metodológica à teologia da libertação (que encara a fé pela ótica dos pobres) e criar ferramentas para difundi-la. Sociólogos(as), educadores(as), filósofos(as) e militantes de pastorais populares se incorporaram ao grupo.

Somos, hoje, cerca de 40 participantes, entre católicos e protestantes. Reservamos dois fins de semana do ano para nos encontrar. Então, relatamos nossas atividades pessoais, analisamos as conjunturas política e eclesial, debatemos um tema previamente escolhido, oramos e promovemos uma celebração litúrgica no domingo.

Nesses 40 anos, o Grupo Emaús produziu frutos consistentes: assessorias às Comunidades Eclesiais de Base e a seus encontros nacionais, denominados intereclesiais; curso anual de atualização teológica para bispos da América Latina; criação do Movimento Fé e Política, do CESEEP (Centro Ecumênico de Serviço à Evangelização e Educação Popular), e do CEBI (Centro de Estudos Bíblicos), do Curso de Verão (em várias capitais, destinados a militantes de pastorais populares); edição da coleção “Teologia da Libertação”, pela editora Vozes; assessoria às Campanhas da Fraternidade, promovidas anualmente pela CNBB e o CONIC; realização, em maio deste ano, do I Encontro de Espiritualidade para Jovens etc.

Somos um grupo apartidário e ecumênico, aberto ao diálogo com outras denominações religiosas. O que nos une é a fé cristã, o serviço à fé dos mais pobres e o amor à Igreja.

Temos opiniões políticas distintas, razão pela qual nem todos assinaram a carta à Dilma. Porém, não somos uma “academia teológica”, e todos mantemos vínculos com as comunidades cristãs populares e os movimentos sociais.

Entre nós há quem trabalha com catadores de material reciclável, comunidades de favelas, jovens, direitos humanos, proteção ambiental, grupos de oração, grupos de estudos bíblicos e assessorias internacionais em âmbito pastoral, ecumênico, e de diálogo entre fé e ciência, religião e Estado.

Convidamos, às nossas reuniões, amigos que, eventualmente, possam participar de uma reflexão específica. Assim, já estiveram conosco Luis Dulci, Gilberto Carvalho, Boaventura de Sousa Santos, Michael Lowy e outros. O mais recente convite foi à presidenta Dilma.

Frei Betto é escritor, autor de “Oito vias para ser feliz” (Planeta), entre outros livros.

18 Comentários leave one →
  1. Wanderley Navarro permalink
    08/12/2014 22:20

    Comungo plenamente com os objetivos traçados por este grupo. Os fatos me dizem, entretanto, que o PT não é o caminho para alcançá-los. Há tempos, estes discípulos, a caminho de Emaús, pensam ter encontrado o Crispto. Grande é a responsabilidade deste apoio, para o bem ou para o mal. Torço para que estes doutores estejam certos e eu errado. Neste caso, meu erro me trará grande alívio e felicidade…

  2. Wanderley Navarro permalink
    08/12/2014 22:31

    Recebi de um amigo o artigo abaixo, publicado na Revista Electrónica Latinoamericana de Teología, mas como não encontrei espaço para o meu comentário na referida página, faço-o aqui sabendo que não é o local apropriado, mas o que foi possível.

    Corrupción: su naturaleza y daños 2013-12-05
    1.He sido atacado ferozmente a través de los medios sociales por haber apoyado el proyecto político del PT y de la Presidenta Dilma Rousseff, siempre con el mismo argumento: ¿por qué no reconoce y escribe contra la corrupción? He escrito varias veces sobre el tema en este mismo periódico (Jornal Brasil online). Repaso algunas ideas como respuesta.

    2.Según Transparencia Internacional, Brasil aparece como uno de los países más corruptos del mundo. Entre 91 países analizados, ocupa el puesto 69. La corrupción aquí es histórica, fue naturalizada, considerada como algo natural. Se la ha atacado sólo posteriormente, cuando ya ocurrió y goza de impunidad.

    3.Este hecho solo denuncia la gravedad del crimen contra la sociedad que la corrupción representa. Todos los días se denuncian más y más hechos, como ahora la corrupción multitudinaria y milmillonaria en Petrobras, involucrando a dirigentes, partidos y grandes empresas. ¿Cómo comprender este perverso proceso criminal?

    4.Comencemos con la palabra corrupción. Tiene su origen en la teología. Antes de hablar del pecado original, la tradición cristina decía que el ser humano vive en una situación de corrupción. San Agustín explica la etimología: corrupción es tener un corazón (cor) roto (ruptus) y pervertido. Cita el Génesis: “la tendencia del corazón está desviada desde la más tierna edad” (8,21). El filósofo Kant hacía la misma constatación al decir: «somos un leño torcido del cual no se puede sacar tablas rectas». En otras palabras: hay en nosotros una fuerza que nos incita al desvío y la corrupción es uno de ellos.

    5.¿Cómo se explica la corrupción en Brasil? Identifico tres razones básicas entre otras: la histórica, la política y la cultural.

    6.La histórica: somos herederos de una perversa herencia colonial y esclavócrata que marcó nuestros hábitos. La colonización y la esclavitud son instituciones objetivamente violentas e injustas. Entonces las personas para sobrevivir y guardar una mínima libertad eran empujadas a corromper. Es decir: a sobornar, conseguir favores mediante trueques, peculado (apropiación ilícita del dinero público) o nepotismo. Esa práctica dio origen al jeitinho o picaresca brasilera, una forma de navegación dentro de una sociedad desigual.

    7.La política: la base de la corrupción política reside en el patrimonialismo y en el capitalismo sin reglas. En el patrimonialismo no se distingue la esfera pública de la privada. Los que están en el poder tratan la cosa pública como si fuese suya y organizan el Estado con estructuras y leyes que sirvan a sus intereses sin pensar en el bien común. Hay un neopatrimonialismo en la actual política que da ventajas (concesiones, medios de comunicación) a paniguados políticos.

    8.Debemos decir que el capitalismo aquí y en el mundo es, en su lógica, corrupto, aunque sea socialmente aceptado. Él impone simplemente la dominación del capital sobre el trabajo, creando riqueza con la explotación del trabajador y con la devastación de la naturaleza. Genera desigualdades sociales que éticamente son injusticias, lo que origina permanentes conflictos de clase. Piketti tiene razón. La democracia pretendiendo ser representativa de todos, representa en realidad los intereses de los grupos dominantes y no los generales de la nación. Esta situación configura una corrupción ya estructurada y hace que acciones corruptas campeen libre e impunemente.

    9.Cultural: La cultura dicta reglas socialmente reconocidas. Roberto Pompeu de Toledo escribió en 1994 en la Revista Vea: «Hoy sabemos que la corrupción forma parte de nuestro sistema de poder tanto como el arroz y el fríjol de nuestras comidas». A los corruptos se les considera hábiles y no los criminales que en realidad son. Como regla general podemos decir: cuanto más desigual e injusta es una sociedad y en especial un Estado, más se crea un caldo cultural que permite y tolera la corrupción.

    10.La tendencia a la corrupción se manifiesta especialmente en los portadores de poder. Bien lo decía el católico Lord Acton (1843-1902): «el poder tiende a corromper y el poder absoluto corrompe absolutamente». Y añadía: «mi dogma es la maldad general de los hombres portadores de autoridad; son los que más se corrompen».

    11.¿Por qué eso? Hobbes en su Leviatán (1651) nos indica una respuesta plausible: «la razón de eso reside en el hecho de que no se puede garantizar el poder sino buscando más y más poder». Lamentablemente es lo que ocurrió con sectores del PT (no con todo el partido) y de sus aliados. Levantaron la bandera de la ética y de las transformaciones sociales, pero en vez de apoyarse en el poder de la sociedad civil y de los movimientos para crear una nueva hegemonía, prefirieron el camino corto de las alianzas y de los acuerdos con el corrupto poder dominante. Garantizaron la gobernabilidad al precio de mercantilizar las relaciones políticas y abandonar la bandera la ética. El sueño de generaciones fue frustrado. Ojalá pueda ser rescatado todavía.

    12.¿Cómo combatir la corrupción? Por medio de la transparencia total, por el aumento de auditores fiables que ataquen anticipadamente la corrupción. Como nos informa el World Economic Forum, Dinamarca y Holanda tienen 100 auditores por cada 100.000 habitantes; Brasil solamente tiene 12.800 en total, cuando necesitaríamos por lo menos 160.000. Y luchar por una democracia más participativa, que se hace vigilante y exige entereza ética a sus representantes.

    Corrupción: su naturaleza y daños – algumas considerações.
    1. No parágrafo 4, o articulista justifica a corrupção do PT e sua base aliciada como sendo algo normal e incurável … “hay en nosotros una fuerza que nos incita al desvío y la corrupción es uno de ellos.” porque «somos un leño torcido del cual no se puede sacar tablas rectas».
    2. Poderia parar o artigo por aí. Não precisava mais explicações. Ficou claro. Mas como é um sujeito culto, fez questão de explicitar razões: “la histórica, la política y la cultural.”
    3. No parágrafo 6, fica claro que, historicamente, quem provoca a corrupção é quem detém o poder. Os subordinados” … para sobrevivir y guardar una mínima libertad eran empujadas a corromper.” E mais: “La tendencia a la corrupción se manifiesta especialmente en los portadores de poder”. Essa situação se agravou, sobretudo, na última década, sob o comando do PT e seus aliados e aliciados.
    4. A base, o alicerce da corrupção é a propriedade privada. A dita democracia elege, na verdade, os representantes dos proprietários, do capital e este governo organiza o Estado de acordo com seus interesses particulares. É isso? Se for, muito bem dito.” Los que están en el poder tratan la cosa pública como si fuese suya y organizan el Estado con estructuras y leyes que sirvan a sus intereses sin pensar en el bien común”. Muito bem dito. Basta ver o patrimônio do Lula, dos demais companheiros da CUT, e tantos outros que, historicamente, não largam a teta do Poder. O tal bem comum é o bem deles.
    5. O capitalismo, segundo o autor, é o que gera a desigualdade. E essa desigualdade explica, historicamente, a corrupção. E como nunca na história deste país houve tanta corrupção, podemos concluir que nunca, entre nós, o capitalismo prosperou tanto. É só perguntar para os grandes Bancos.
    6. “Como regla general podemos decir: cuanto más desigual e injusta es una sociedad y en especial un Estado, más se crea un caldo cultural que permite y tolera la corrupción.” O articulista, segundo meu modo de ver, insiste em denunciar que a nossa sociedade nunca foi tão desigual como agora e nunca tolerou tanto a corrupção. Isso é fato. Na última eleição para presidente, mesmo diante das provas irrefutáveis de tanta corrupção, a maioria escolheu ser governada por um grupo que, sabidamente, está pouco se lixando para a ética.
    7. No último parágrafo, temos uma sugestão. Precisamos de mais fiscais confiáveis. Indicados, provavelmente, à maneira do STF…
    8. Pra encerrar, o bondoso articulista aponta e justifica a causa da corrupção do PT : «la razón de eso reside en el hecho de que no se puede garantizar el poder sino buscando más y más poder». É ingênuo ou simulado? Será que não vê que o verdadeiro PT é este que aí está e não aquele idealizado no ABC? Será que não percebe que o PT busca o Poder pelo Poder e todo Poder, custe o que custar?
    9. Como pode este intelectual apoiar publicamente e militar por este governo que “Garantizaron la gobernabilidad al precio de mercantilizar las relaciones políticas y abandonar la bandera la ética.”??? Gostaria de hoje, como antes, respeitar a opinião deste Leonardo…

    • 09/12/2014 0:00

      Wanderley, aconselho-o a voltar à escola primária para aprender a ler. Vc não entendeu nada do que escrevi.Emtendeu ao contrário.Quis entender por que existe corrupção não para apoia-la mas para combate-la.
      lboff

      • 09/12/2014 7:53

        Leonardo Boff, como você, com todo o respeito, deseja combater a corrupção se você votou no PT? No PT que além da lambança que fez na Petrobrás se uniu a Collor e a Sarney, entre outros?

        Como você pretende combater a pobreza, se o governo que vc apoia não favorece quem produz nesse país? Existe um meio melhor do que combater a pobreza do que aumentar a produção?

        Você tem ideia de que nosso país só está existindo porque o capital internacional financia a gastança do seu PT? Vc sabe o que significa superávit primário e a importância dele para que os estrangeiros continuem nos financiando, obtendo, é obvio, altos lucros? Que se o PT quer baixar os juros de forma permanente, ele tem primeiro que cumprir a meta de superávit primário e reduzir a divida interna?

        Por favor, não me mande voltar à escola primária, porque sou economista e tenho certeza que a Dilma Roussef levaria um bar à falência.

        Por favor, esses são questionamentos que faço a você, porque os livros que você escreve sobre espiritualidade são maravilhosos, mas na parte política você é uma lástima. Como pode uma pessoa esclarecida somente apoiar os pobres, se Cristo, de quem supostamente você é discípulo, não enjeitou ajudar os ricos, como Zaqueu, por exemplo?

        Um homem que escreve sobre meditação divinamente, sobre Gaia, sobre chakras, que é um homem espiritualizado, como pode ter posições tão tacanhas sobre a produção e a riqueza?

        Não pretendo criticá-lo, mesmo porque quem sou eu? Basta eu julgar a mim mesmo, como disse o Cristo. Eu tenho minhas traves, também. Eu só queria entender….

      • Wanderley Navarro permalink
        09/12/2014 20:47

        A escola primária não existe mais…Entendi perfeitamente. As atitudes falam mais alto mesmo quando alguém, escrevendo, pretende dizer o contrário.De nada adianta escrever contra a corrupção e, ao mesmo tempo, apoiar um governo corrupto. Sei ler, além do texto. Apesar dos pesares, agradeço a atenção da sua resposta. Seu gesto é melhor que sua resposta.

  3. marcio luiz dos santos ewald permalink
    09/12/2014 5:59

    louvo muito a intenção de vocês e acredito que é o unico caminha democrático para alcançar os objetivos de uma nação justa, mas, esta presidente vai usar vcs e seu grupo como fez com todos os outros que dela se aproximaram. Não acredito nas intenções atuais do PT que tornou-se um partido bancário e que faz de tudo para se manter no poder usando quem quer que seja. Veja como exemplo os aumentos logo após a eleição e a votação comprada no congresso para maquiar as contas publicas federais. Vcs acham que ela está querendo mesmo auxiliar grupos de direito humanos? Ela precisa de pessoas que passem pela mídia esta imagem de boazinha e preocupada com a nação. Teremos mais quatro anos de penúria e exploração. Que pena.

  4. 09/12/2014 8:18

    Sempre acompanho as publicações e os comentários feito pelos leitores e seguidores deste renomado pensador e escritor Leonardo Boff. Não gostei do tipo de resposta que fez ao Wanderley, mesmo ele não tendo compreendido suas versões, merece sua atenção e respeito. Tente ao menos responder de forma clara as indagações de seus seguidores. Eles, assim como eu, busco em suas opiniões sustentar algo que sempre o ouvi defender, a tolerância e a proximidade aos desejos e conselhos de Cristo Jesus, amarmos uns aos outros. Diferenças existem e sempre vão existir, tenha mais paciência a exemplo de São Francisco de Assis, que mesmo sob o ataque de ladrões e mal feitores ele também os amava e sabia que precisavam de ajuda e orações por estarem no caminho errado. É assim que penso na minha humilde opinião, me desculpe. O texto e as opiniões dele foram de imensa valia, ou descorda das opiniões dele sobre a corrupção que assola nosso país e nossa democracia?

  5. Rosane Rezende permalink
    09/12/2014 9:29

    Muito boa, esta ideia de procurar a Presidenta Dilma, porque tenho certeza que este Grupo, que é um trabalho muito sério, e que conheço o histórico, não só será, como já o é, um fortíssimo aliado à conduta social da Presidenta, como também deverá receber um novo membro de grande peso, como os demais participantes.
    Parabéns pela proposta do Grupo, e iniciativa! RRezende

  6. Aline permalink
    09/12/2014 15:44

    E qual foi a reação dela? Houve alguma promessa?

  7. maria de fatima fabri oliveira permalink
    09/12/2014 20:09

    muito lindo como gostaria de participar de um grupo maravilhoso que pensam em tudo ,para mim esta e a verdadeira igreja

  8. 10/12/2014 11:01

    Prezado Frei Boff, preocupo-me sobremaneira quando se fala em honestidades, como estes arautos da geração da riqueza, e não se fala se fala no resto maior do roubo. Isto é, nosso PIB é pendular entre o5º e 7º maior do mundo. 43% da geração de riqueza realizada no Brasil, fica retida nas mãos das 5 mil famílias mais ricas. Entretanto o mérito desse Super PIB é virtude do povo brasileiro. Ou será que tudo está caindo do céu? É impressionante a capacIdade de abstração dos Doutores, e dizem -se doutos em macroeconomia, mas não passam de analistas de lucro d’um bar, ou mercadinho. Ora para isso não precisa estudar Economia, se estudaram, precisam saber que se trata de uma Ciência Social. Mas, também se formam técnicos em lucro. Isso é incontestável.

    • 10/12/2014 12:20

      Marcos, concordo com vc. Como cristão e teólogo fico abismado pela falta de solidariedade dos grupos dominantes e de nossas eleites,a maioria cristã para as quais a mensagem de Jesus não significa nada, para com os milhões de irmãos e irmãs que sobrevivem na perifieria. E as 25 universidades catolicas não lhes ensinam a Tradição de Jesus,mas para serem gerentes de empresas e engrossarem o número de nossos exploradores.Vou escrever ainda sobre esse farisaismo oficial que Jesus seguramente haveria de chamar de “sepulcros caiados”
      lboff

      • 12/12/2014 9:59

        Caro LB

        Sempre digo que os economistas, principalmente aqueles que defendem o capitalismo, que se fizermos uma comparação das suas análises, que poderiamos comparar com um sistema linear de equações que se torna insoluvel, simplesmente porque são retiradas equações que envolvem variáveis ligadas ao social, ao ambiente, à humanidade, enfim a tudo que tenha relação com o “bio-sistema”. É como se fosse apenas um problema mecânico sem nenhuma relação com o resto. A economia é orgânica e não mecanicista. (olha o pensamento cartesiano aí)

        Abraços

        Jose Severiano

  9. 11/12/2014 12:21

    Frei Leonardo,obrigado, fraternalmente.
    E ilustrando sua (Vossa) manifestação:
    http://www.franciscanos.org.br/?p=41435

  10. 12/12/2014 10:06

    Quanto às classes dominantes, não é de se espantar, a maioria teve seu inconsciente trabalhado (exceto aqueles que se tornaram “elite” por outros motivos como desvio de recursos públicos, oportunismo e etc.) a décadas, só poderia-mos esperar deles o que estamos presenciando, total falta de empatia com o próximo, e mais, não é necessário exatamente pertencer a qualquer grupo religioso ou ser cristão.

  11. 12/12/2014 11:59

    Republicou isso em luveredas.

  12. 07/07/2015 19:25

    Leonardo, Boa noite!
    Bom estou lendo sobre você, e tenho observado que es um bom escritor, estou precisando no momento ler seu livro espiritualidade como faço para baixa-lo?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: