Skip to content

Fundamentalism of the West and Far West

15/02/2015

Islamic fundamentalism is predominant. But there is also a wave of fundamentalism, especially in France and Germany, where xenophobia, Islamophobia and anti-Semitism are strong. The many attacks by al-Qaeda and other jihadist groups feed the feelings that dehumanize everyone: the victims and those who victimize. We can understand the global concepts that underlie terrorist violence, but never, for any reason, can we approve of it, given its criminal character.

The fundamentalism of several Islamic groups is radical, creating a new type of war: terrorism. It is an insult today to accuse someone of being a fundamentalist. Generally we consider that only others are fundamentalists, often forgetting that the accuser also lives in a fundamentalist culture. I would like to briefly touch on this, although it may irritate not a few readers. I am thinking of the fundamentalism found in broad sectors of the West and Far West (the American continent).

Historically, fundamentalism, although already in existence, came into the open in North-American Protestantism, between 1890 and 1915, when a group of Pastors published a collection of 12 theological fascicules, titled Fundamentals: a testimony of the Truth. It rejected secularization, affirming the absolute truth of the faith, outside of which there only could be error. That fundamentalism still prevails today in many Christian denominations and in sectors of conservative Catholicism of the Lefebvre style.

I would say with some exaggeration, but not very much, that fundamentalism is one of the chronic and more deleterious diseases of the West and Far West. This fundamentalism is so deeply rooted that it has become unconscious, but it was well expressed by the most hilarious and gross politician in Europe, Silvio Berlusconi, who declared that Western Civilization was the best in the world and therefore should be imposed on everyone. I mention two types of fundamentalism: religious and political.

The Roman Catholic version of Christianity was for centuries the hegemonic ideology of Western society, of the orbis catholicus. Seen through this lens is the absolutism of two Popes, a clear expression of fundamentalism.

Pope Alexander VI (1492-1503) through the papal letter, Inter Caetera, to the kings of Spain, declared: «By the authority of all powerful God, given to us in Saint Peter, as the Vicar of Jesus Christ, we give, concede and hand over to you, the islands and dry lands found and to be found, with all their domains, fortress cities, places and villages». This was taken seriously and used to legitimate Spanish colonization, with the destruction of ethnic groups, ancestral cultures and religions.

Pope Nicholas V (1447-1455) in the papal letter Romanus Pontifex, addressed to the kings of Portugal, was even more arrogant: «I give you full and free power to invade, conquer, combat, defeat and submit Saracens and Pagans wherever they may be found, and to reduce such persons to perpetual servitude». That power was also exercised «to expand the faith and the empire» at the cost of exterminating our Indigenous peoples (there were 6 million in what is now Brazil) and the devastation of our jungles.

That religious doctrine attained a secular version in the colonizers who practiced such terror over the people.

Sadly, this absolutist version was resurrected through a controversial document by then Cardinal Joseph Ratzinger, Dominus Jesus (2001), where he affirmed the medieval concept that there is no salvation outside of the Church. Everyone else is in a dangerous situation with regard to eternal salvation.

The religious version gained political expression with the Manifest Destiny of the United States. This expression was coined in 1845 by the journalist John O‘Sullivan, to justify North American expansionism, with the annexation of parts of Mexico. In 1900 Indiana senator Albert Beveridge explained: «God designated the North American people as the chosen nation, to initiate the regeneration of the world». Other presidents, especially George W. Bush, based their actions on that pretentious exclusivity. It justified wars of conquest, especially in the Middle East. It looks like Barak Obama is not totally innocent.

In short the West and Far West imagine themselves to be the best in the world: with the best religion, the best form of government, the best technoscience, the best cosmovision. This is fundamentalism, which makes its truth the only truth, and imposes it on others. That arrogance is present in the Western conscious and subconscious. Thanks to God, we have also an antidote: self criticism for the evils that such fundamentalism has brought upon humanity. But it is not shared by all.

The phrase of Antonio Machado, the great Spanish poet is on point: «Not your truth. The truth. And come with me to search for it. Your truth, keep it to yourself». If we search for together, through dialogue and cordiality, then my truth increasingly disappears, giving way to the Truth, which is shared by all. And thus, perhaps, it can rein in the fundamentalism that the West and Far West visit on the world.

Free translation from the Spanish by
Servicios Koinonia, http://www.servicioskoinonia.org.
Done at REFUGIO DEL RIO GRANDE, Texas, EE.UU.

9 Comentários leave one →
  1. 15/02/2015 19:25

    Padre Leonardo, Li o texto e realmente é uma tristeza que pelo fundamentalismo dos homens em qualquer área a humanidade seja tão castigada.Então como entender que uma pessoa como a Irmã Serafina Micheli ainda nos dias de hoje seja canonizada , tendo um espirito tão hegemônico como se pode ver através deste episódio Inter Caetera, aos reis da Espanha, declarou: «Pela autoridade dofratresinunum.com/2011/02/21/futura-beata-viu-lutero-no-inferno/ Apesar dos ensinamentos às suas seguidoras, neste caso acho que há uma enorme contradição ,entre o falar e o agir,mesmo supostamente tendo a visão de um (anjo de Luz ?) sabe-se lá né ?! Então vejo que realmente o fundamentalismo é um pé de jequitibá com suas raízes frondosas e profundas arraigadas no coração dos homens ,até mesmo daqueles que recebem os seus altares nas nossas igrejas .E como podemos te-los como exemplos para as nossas vidas ? Não é pois de se admirar que a guerra tenha mudado a forma de lutar, como vemos hoje nas manifestações terroristas .
    Terna Florentz

  2. 16/02/2015 11:28

    Republicou isso em Fonte da arte.

  3. 16/02/2015 23:06

    Here is an article from a British journal :

    “EVERY politician in Britain should see a psychiatrist, Alastair Campbell, the former Labour spin doctor, has told The Sunday Times.

    In an interview, Tony Blair’s former spokesman argued that “100%” of British politicians would benefit from psychiatric help to deal with the stresses of the job and to make them better leaders.

    Campbell, who has himself been treated for depression and alcoholism, also revealed that he advised Blair and Gordon Brown to get couple’s counselling at the nadir of their relationship in order to settle their differences.

    That revelation is contained in Campbell’s book, Winners and How They Succeed, serialised in The Sunday Times today.

    The book argues that modern politicians are less effective leaders than top people in sport and business, where psychologists are routinely employed to improve performance.

    Asked how many politicians would benefit from psychiatric support, he said: “I think 100%.”

    Campbell revealed that he offered Blair”

    And what they are doing there, they are trying to do here in Brazil, as they did with Paraguay and are trying to do with Argentina.

  4. 17/02/2015 1:41

    “Pragmatismo Político

    Inicial
    Educação
    Porões da ditadura
    Cultura
    Eleições 2014
    Saúde
    Mídia
    Redação Pragmatismo
    Redação Pragmatismo
    Editor(a)
    Compartilhar
    56
    AMÉRICA LATINA26/JUN/2012 ÀS 18:30
    8
    COMENTÁRIOSGolpe no Paraguai tem dedo dos EUA e ameaça Brasil e Argentina
    Washington conta com o isolamento do Paraguai, no âmbito da região, para estreitar suas ligações com esse pequeno país e transformá-lo em ponta de lança contra as pretensões de maior autonomia de Brasil e Argentina

    lugo golpe paraguai
    Fernando Lugo, vítima de Golpe orquestrado com intenções obscuras
    Por Flávio Lyra, via Agência Alba Notícias
    Só ingênuos podem admitir que o golpe parlamentar que destituiu o presidente Lugo do Paraguai, não tem o dedo do Pentágono. Essa nova modalidade de golpe, inaugurada em Honduras em 2009, que destituiu o presidente Zelaya, articulada na base aérea que os Estados Unidos mantém naquele país centro-americano, teria sido mais uma vez aplicada com sucesso, ao menos, por enquanto.
    É uma grande coincidência que tais fatos ocorram contra governos de esquerda que tentam realizar reformas em favor dos segmentos mais pobres da população, particularmente reformas agrárias. Tanto Zelaya, quando Lugo vinham tentando melhorar o acesso à terra a camponeses secularmente explorados por grandes latifundiários e realizar ações de proteção social aos segmentos mais pobres da população.
    Leia mais

    Presidente mais pobre do mundo ainda anda de fusca e doa 90% do salário
    Tortura, sangue, horror e os segredos por trás de um jornal chamado Clarín
    Documentos vazados pelo Wikileaks revelam que EUA treinam oposicionistas pelo mundo
    Não surpreende a atitude ambígua que o governo dos Estados Unidos adotou, inicialmente, no caso de Honduras e, posteriormente, favorável à substituição do presidente Zelaya. Agora, a história repete-se com o governo dos Estados Unidos achando que a destituição abrupta do presidente Lugo respeitou as regras do jogo democrático, quando nitidamente tratou-se de um conluio dos partidos derrotados na última eleição para livrar-se de um presidente vinculado a causas populares.
    É muito provável que o pequeno Paraguai se dispusesse a confrontar as regras do Mercosul e da Unasul, entrando em conflito com seus dois vizinhos Argentina e Brasil, se não contasse com o estímulo e proteção do governo norteamericano.
    Certamente, que os governos do Brasil e da Argentina vacilaram claramente ao não acompanharem o desenvolvimento da conjuntura política no Paraguai, mormente quando se sabe que Washington estreitou muito suas relações com o Chile, depois do governo direitista de Piñera, e vinha realizando gestões para construir uma base militar no Paraguai. Tem sido denunciada a intenção de estabelecer um cerco a Brasil e Argentina.
    Do ponto de vista da oligarquia paraguaia nada mais conveniente do que buscar apoiar-se no grande irmão do Norte para manter seus privilégios em desfavor da maioria do povo paraguaio, pois certamente não contaria com a boa vontade de Brasil e da Argentina, cujas políticas econômicas têm forte conteúdo social.
    Agora, o problema está criado, pois estamos ameaçados em interesses muito concretos como é a manutenção dos acordos regionais do Mercosul e da Unasul, sem contar que existe a empresa binacional de Itaipu, importante fornecedora de energia para o Brasil, construída na fronteira entre Brasil e Paraguai.
    Washington pode muito bem estar contando com o isolamento do Paraguai, no âmbito da região, para estreitar suas ligações com esse pequeno país e transformá-lo em ponta de lança contra as pretensões de maior autonomia de Brasil e Argentina.
    No mundo atual, em que é notória a ação intervencionista generalizada, explícita e oculta, das grandes potências, especialmente dos Estados Unidos, nos países mais frágeis, especialmente os mais dotados de recursos naturais estratégicos, qualquer descuido dos organismos responsáveis pela segurança interna em relação ação dos órgãos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e outras potências pode acarretar funestas conseqüências para a segurança nacional.
    Não me admiraria se algum dia vier a ser constatado que a crise do “mensalão”, durante a qual foi ensaiada uma tentativa de golpe, visando a destituição do presidente Lula, tenha contado com o apoio dos Estados Unidos. O denunciante do esquema, o deputado federal Roberto Jeferson, conhecido por sua atuação em episódios obscuros, poderia muito ter sido cooptado pelo departamento de Defesa dos EUA, para dar a sua denúncia o teor que assumiu. Suspeito fortemente que o que se denominou mensalão foi uma das operações, ilegais, porém freqüentes, com que tem sido financiadas as campanhas eleitorais no país, mediante o uso de “caixa 2” de empresas privadas ou públicas.
    Não há por que não admitir que as ações que os Estados Unidos e as grandes potências vêm realizando de desestabilização dos governos de vários outros países, como acontece no Oriente Médio, inclusive com o fornecimento de armamento, não possam estar em vias de acontecer na América do Sul. Portanto, senhores governantes, não nos deixamos enganar pela cordialidade aparente dos ministros e governantes das grandes potências. Seus interesses, como tais, estão sempre em primeiro lugar e eles não hesitam em mobilizar meios, nem sempre os mais lícitos, para defendê-los.
    Os Demóstenes Torres, Carlinhos Cachoeira e muitos outros infiltrados nas altas esferas do poder público e do setor privado e da grande imprensa, são candidatos naturais a montar esquemas de desestabilização dos governos democráticos, em associação com os serviços secretos das grandes potências e grupos políticos internos ameaçados em seus privilégios. É preciso combatê-los com toda a energia, sob pena de “só fecharmos a porta depois que o ladrão esteja dentro de casa”.
    *Flávio Lyra é economista e ex-técnico do IPEA. Cursou doutorado de Economia na Unicamp.”

    Esse artigo é para complementar o de comentário anterior.

  5. 17/02/2015 1:47

    “Pragmatismo Político

    Inicial
    Educação
    Porões da ditadura
    Cultura
    Eleições 2014
    Saúde
    Mídia
    Redação Pragmatismo
    Redação Pragmatismo
    Editor(a)
    Compartilhar
    388
    CORRUPÇÃO11/FEB/2015 ÀS 21:20
    24
    COMENTÁRIOSPor que o silêncio em torno do escândalo do HSBC?
    No mundo inteiro, jornais garimparam nomes de integrantes da lista do Swissleaks – o escândalo das contas secretas do HSBC. No Brasil, onde o caso envolve mais de 15 bilhões de reais sonegados, impera um silêncio assombroso e uma discreta cobertura midiática

    swissleaks hsbc escândalo
    Paulo Nogueira, DCM
    Simplesmente inaceitável o silêncio no Brasil em torno do vazamento das contas secretas do HSBC na Suíça. Passo pelos sites das grandes empresas jornalísticas e a cobertura ou é nula ou é miserável.
    Os números justificariam barulho. Muito barulho. No caso brasileiro, são 8 667 contas num total de 7 bilhões de dólares sonegados.
    Me chamou a atenção, também, a atitude dos colunistas. Onde a indignação? Onde a estridência habitual? Onde o sentido de notícia?
    Passei no twitter de Noblat. Nos últimos dois dias, uma centena de tuítes. Zero sobre os chamados Swissleaks.
    Também dei uma olhada em Reinaldo Azevedo, verborrágico, torrencial nos textos. Nada sobre o HSBC.
    São dois entre tantos.
    A ausência deles do debate mostra uma coisa que sempre tive clara. A valentia deles vai até onde não existe risco de publicar algo que contrarie interesses de seus patrões.
    É o colunismo sabujo, o colunismo papista, o colunismo patronal – ou, simplesmente, o colunismo chapa branca.
    E se algum patrão dos colunistas estiver na lista? Na Argentina, o Clarín encabeça o pelotão dos sonegadores.
    Melhor, então, ignorá-la.
    No mundo inteiro, jornais garimparam nomes de integrantes da lista. No Brasil, apareceu – parece piada de humor negro – com algum destaque um morto: o banqueiro Edmond Safra.
    Graças a um site angolano, soube-se que o Rei do Ônibus do Rio, Jacob Barata, também está listado.
    A última vez que vi Barata no noticiário foi no casamento de uma neta. Gilmar Mendes foi um dos padrinhos.
    Imagine, apenas imagine, que haja consequências jurídicas para Barata, e que o caso chegue ao Supremo.
    Como agiria Gilmar?
    Jornalista, como pregava o maior de nós, Pulitzer, não tem amigo. Porque amizades interferem no noticiário.
    Da mesma forma, juízes não deveriam ter amigos. Mas, no Brasil, têm.
    hsbc escândalo barata
    Jacob Barata, o ‘rei dos ônibus’, é um dos envolvidos no escândalo do HSBC. Nome do empresário só foi revelado por meio de um site angolano
    Não me surpreende a mídia no escândalo do HSBC. Conheço-a bem para esperar qualquer coisa diferente.
    Mas e o governo: não tem nada a dizer?
    Estamos tão bens de dinheiro nos cofres públicos para desprezar a busca dos bilhões sonegados?
    Não é o que parece.
    Considere o que a Espanha está fazendo. O ministro das Finanças, Cristóbal Montoro, anunciou que estuda “medidas legais contra o HSBC por sua participação em fraudes fiscais, lavagem de dinheiro e outros atos criminosos cometidos por cidadãos espanhóis”.
    Em 2010, o governo espanhol teve acesso a 650 nomes de pessoas com conta secreta no HSBC na Suíça.
    Foi atrás de um por um. A família Botin, que controla o Santander, fez um acordo extrajudicial com o governo. Pagou 200 milhões de euros, cerca de 600 milhões de reais.
    A oposição de esquerda na Espanha luta para que a legislação seja alterada para que sejam publicados todos os nomes de todos os envolvidos em evasão fiscal.
    No Brasil, o quadro é completamente distinto – e para pior.
    Pouco antes de Joaquim Levy ser nomeado ministro da Fazenda, o banco em que ele trabalhava, o Bradesco, foi pilhado numa história de sonegação no paraíso fiscal de Luxemburgo.
    A Globo carrega uma espetacular história de sonegação já há dois anos – sem quaisquer consequências legais ou financeiras.
    A Globo continua a receber seu mensalão publicitário como se honrasse todos os seus compromissos com o Tesouro.
    Ou os espanhóis – e o mundo – estão errados, ou errados estamos nós.
    Faça sua escolha.¨”

    Com mais esse artigo podemos classificar tais políticos como sociopatas.

  6. 17/02/2015 2:04

    ” Pragmatismo Político

    Inicial
    Educação
    Porões da ditadura
    Cultura
    Eleições 2014
    Saúde
    Mídia
    Redação Pragmatismo
    Redação Pragmatismo
    Editor(a)
    Compartilhar
    177
    FHC11/JUL/2012 ÀS 19:58
    24
    COMENTÁRIOSFHC vai aos EUA falar mal do Brasil, receber US$ 1 milhão e defender um golpe
    As declarações de FHC nos Estados Unidos agradaram os ‘paladinos da democracia estadunidense’ e os golpistas do Paraguai

    FHC recebe premio kluge EUA
    FHC recebe prêmio Kluge. Imagem: Reprodução
    No covil do império, bem ao seu gosto, o ex-presidente FHC atacou ontem o ingresso da Venezuela no Mercosul, argumentou que não houve golpe no Paraguai e criticou a exclusão dos golpistas do bloco de integração sul-americana. Fernando Henrique Cardoso foi a Washington receber o Prêmio Kluge de US$ 1 milhão da Biblioteca do Congresso dos EUA em “reconhecimento à sua obra acadêmica”.
    Em entrevista coletiva, FHC afirmou que “não houve arranhão à Constituição paraguaia” no impeachment sumário de Fernando Lugo e que a deposição seguiu as normas democráticas. “Você pode discutir se houve ampla liberdade de defesa. Quem discute isso? As cortes paraguaias. O limite entre você manter a regra do jogo e a ingerência é delicado”.
    O ex-presidente tucano ainda afirmou que a política da Dilma de proteger a indústria nacional é um “protecionismo” absurdo, esquecendo que em seu governo a indústria foi praticamente destruída pelo câmbio falso.
    Leia mais

    FHC alfineta Lula por participar de campanha mas esquece do passado que lhe desmente
    ‘Nova direita’ sofre de envelhecimento relâmpago e faz apologia ao golpismo
    FHC também criticou as agremiações partidárias no Brasil, mas sem mencionar o seu partido.
    OEA e os serviçais do império

    Para o partidário do “alinhamento automático” do Brasil aos EUA, a decisão do Mercosul de suspender o Paraguai foi um erro. “É sempre ruim tirar um presidente rapidamente. Mas daí a fazer uma sanção sobre o Paraguai vai uma distância grande… Mais delicada ainda é a aceitação da Venezuela, independentemente de valer a pena ou não, sem que o Paraguai esteja”.
    As declarações de FHC devem ter agradado os falcões do império e os golpistas do Paraguai. Elas foram dadas no mesmo dia em que a Organização dos Estados Americanos (OEA) divulgou relatório concluindo que a deposição de Lugo se deu “estritamente conforme o procedimento constitucional”. Como se observa, os serviçais do império não morrem de amores pela democracia!”

    Just to finish.

Trackbacks

  1. Fundamentalism of the West and Far West | psiu...
  2. Fundamentalism of the West and Far West | EVS N...

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: