Skip to content

Las muchas opciones políticas y sus humores

08/04/2015

Una situación de crisis generalizada en el mundo y en nuestro país permite muchos humores y no pocas interpretaciones. Toda crisis es angustiante y dolorosa porque desaparecen las estrellas-guía y nos da la impresión de un vuelo a ciegas.

Como mostró el conocido pensador René Girard, uno de los grandes estudiosos de la violencia, todo grupo, comunidad y sociedad necesita siempre crear un «chivo expiatorio» sobre el cual recaen todas las frustraciones y quejas de las personas. Ahora son los comunistas, ahora los subversivos, ahora los homoafectivos, ahora los fundamentalistas, generalmente los políticos y los gobernantes. Modernamente a este complejo fenómeno social le llaman bullying. Con eso se alivian las tensiones sociales y la sociedad encuentra relativo equilibrio, siempre frágil e inestable. Pero se crean también muchas víctimas, a veces inocentes, se deja de reforzar el valor de la convivencia pacífica y se abre espacio al prejuicio y a las actitudes fundamentalistas.

Tal situación se está verificando claramente en Brasil. Prácticamente no hay persona que no exprese algún tipo de malestar, hasta rabia y, en el límite, odio. Quien conoce un poco el discurso psicoanalítico no se admira. Sabe que en el ser humano actúan al mismo tiempo dos fuerzas: la de sombra bajo la cual caben todas las decepciones y descontentos ante una situación dada, ya sea la sanidad que no funciona, el transporte de mala calidad, los impuestos altos, la clase política falta de escrúpulos y sin ligazón orgánica con los electores, la corrupción descarada que supone millones de dólares, cosa que escandaliza, revuelve y exige castigos rigurosos. Pero está también la fuerza de luz que representa todo lo que hay de bueno en el ser humano, la bondad, el amor, la comprensión, la amistad, y en la sociedad el sentimiento de solidaridad en un accidente de carretera, la cooperación al asociarse a una ONG seria que hace un trabajo coherente de rescate de los derechos humanos y la dignidad de los más invisibles, etc.

El desafío es siempre este: ¿a qué damos más primacía? ¿A la sombra o a la luz? Lo deseable y saludable es dar mayor espacio a la luz. Pero hay también momentos en que los hechos perversos, hechos públicos, provocan la ira sagrada, la protesta explícita y la manifestación pública. La sombra tiene también su derecho, pues no es un defecto sino una marca de nuestra condición humana: iracundos y pacíficos, duros y flexibles.
El reto es buscar la justa medida que representa lo óptimo relativo, el equilibrio entre el más y el menos; o la autolimitación que significa el sacrificio necesario para que nuestra acción no sea destructiva de las relaciones sino buena para todos. Una sociedad que se ha civilizado busca siempre este equilibrio. En este grupo están las mayorías que viven de su trabajo, empresarios correctos que llevan el país adelante. Son sensibles a los pobres y difícilmente discriminan a causa del origen, del color o de la religión.

Actualmente se constata un gran abanico de expresiones políticas, digamos de derecha, de centro, de izquierda, cada cual con sus matices. Están los que son conservadores en política, dan primacía al principio de orden, aunque admitiendo que haya excesos sociales. Económicamente son hasta progresistas, abiertos a las novedades tecnológicas.

Están los que miran el escenario mundial, donde las grandes potencias dictan los rumbos de la historia y piensan: no estamos suficientemente desarrollados y fuertes para tener un proyecto propio. Es más ventajoso caminar con ellos, aunque sea como socios menores y agregados. Así no quedamos marginados. Estos temen los proyectos alternativos.

Están los que dicen que no debemos pisar en las pisadas dejadas por otros. Tenemos que hacer nuestra propia pisada con los recursos de que disponemos. Somos grandes, tenemos un pueblo creativo, una naturaleza que nos garantiza que la economía futura, de base ecológica, nos hará decisivos para el futuro del planeta. Estos son alternativos y se oponen directamente a la perspectiva imperial de alineamiento con el proyecto de la globalización. Critican duramente el proyecto neoliberal que acumula por un lado y empobrece por el otro, devastando bienes naturales.

Están los que no esperan nada de arriba, pues la historia ha mostrado que todos los proyectos elaborados por los del piso de arriba han dejado siempre a las grandes mayorías del piso de bajo donde estaban o simplemente fuera. Confían en las organizaciones de los movimientos sociales, articulados de tal forma que consiguan elaborar un proyecto de Brasil de abajo hacia arriba y de dentro hacia fuera. Pretenden una democracia participativa y políticas públicas que beneficien a los millones de personas históricamente dejadas atrás. Esos en Brasil, como en otros países de América Latina, con sus partidos, han ocupado el poder de Estado. Han mejorado la situación de los más castigados y todos de alguna manera han ganado. Esos luchan para asegurarse en el poder y llevar adelante el proyecto popular.

Pero no basta esta voluntad generosa. Tiene que venir acompañada de transparencia y de figuras de políticos ejemplares que den cuerpo a lo que predican. Infelizmente eso no ocurrió o lo hizo de forma fragmentaria e insuficiente. No pocos sucumbieron al arquetipo más poderoso en nosotros, según C. G. Jung, el poder, porque nos da la ilusión de omnipotencia divina, de poder decidir el destino de las personas además de innumerables ventajas personales.

Max Weber, el maestro del estudio del poder, sentenció: sólo ejerce bien el poder quien toma distancia de él y lo considera pasajero y servicio desinteresado a la comunidad.

Traducción de MJ Gavito Milano

6 Comentários leave one →
  1. Marco Magioli permalink
    08/04/2015 11:58

    Não há sociedades, nem organizações multinacionais, ou organizações muito amplas que não haja no seu núcleo, ou em seus orgãos corrupções, desvios, fraudes. DEVEM SIM, AGIREM COM SEUS ORGÃOS INTERNOS E EXTERNOS DE DEFESA. Assim, vamos da padaria do Seu Manoel até as grandes Nações no mundo.

    Entretanto, uma Instituição econômica dada, com vultosos movimentos financeiros, a exemplo de uma Petrobrás aos Estados Unidios da América, tendem a perceber, sentir menos um prurido, uma coceira em seu corpo, enquanto uma unidade complexa e de dimensão significativamente grande. Ou seja as fraudes, e atos de corrupção.

    O que não se pode aceitar é quando uma crise global atinge tais instituições mediante violenta ação de “dumping” ( ação econômica que uma parte interessada produz, mediante redução expressiva de preços, produzindo consequências premeditadas em outros atores institucionais, entre as quais falências de empresas e falta de liquidez para quitar seus débitos com os credores internacionais – países sem recursos para pagar.

    Assim, em tais oportunidades encontra-se quese que sempre os oportunistas de plantão que – de má-fé -, passam a atribuir às preditas fraudes, corrupções e desvios todas as causas nas Instituições, antes economicamente fortes e posteriormente combalidas em quase a sua totalidade pela causa do “Dumping” precitado.

    Dando os nomes aos bois, como o povo gosta de falar, imagine o Barril de Petróleo, há poucos meses passados, vendido no mercado internacional a $160,00 (dólares) e a seguir sofrer uma queda para $45,00 (dólares). Mas, não percam de vista o volume em bilhões de dólares que esta ação Mundial gerou mal intencionadamente. Vamos à Autoria: Arábia Saudita, o mais importante protetorado dos EUA. OPEP, a união internacional de petróleo que determina o preço internacional do produto através da maior oferta – que causa a queda do preço -, ou através da menor oferta – que causa o aumento do preço do Barril de petróleo. Como vemos, Arábia Saudita e os EUA possuem uma unidade política e econômica no Mercado Internacional do Petróleo, via de consequência a OPEP fortalece esta unidade.

    Quantos bilhões de dólares de prejuízo esta Demoníaca Trindade do Mal deram causa?

    Façamos um exercício de proporcionalidade entre os danos da corrupção e fraudes na Petrobrás e a Política da “Trindade do Mal”. Mal comparando seria a proporção de um tostão para um trilhão ? Afirmo intuitivamente que sim ! Entretanto, os corruptos e fraudadores estão nas malhas – como deve ser -, assumiram o risco, e estão pagando alguns e começarão a pagar os outros. Agora quem condenará a Trindade do Mal pelo MAIOR “Dumping” DA HISTORIA DA HUMANIDADE? Quem os acusarão de cinismo de quebrarem a economia de vários países e, como no caso de um dos membros da Trindade do Mal, ainda processarem dentro de seu país a quebra da maior empresa Latino Americana de Petróleo, culpando os fraudadores de milhões e omitindo os trilhões de dólares causado no mundo inteiro.

    A título de demonstração das consequências da Trindade do Mal, vejamos o 7º PIB do mundo pertencentes ao Brasil, no valor de 5 trilhões de reais. Sofrendo uma das várias consequências da orquestração daTrindade Maléfica, a conversão em dólares antes do precitado “MAIOR DUMPING DO UNDO” era de $2,5 trilhões de dólares – antes do “dumping” o dólar era convertido, valia R$2,00 ( DOIS REAIS). depois do “DUMPING” o dólar disparou para R$3,20 ( três reais e vinte centavos). Neste ponto, o Brasil inteiro perdeu mais de HUM TRILHÃO DE DÓLARES ( BASTA DIVIDIR 5 TRILHÕES DE REAIS POR R$3,20 = 1,625 TRILHÕES DEDÓLARES), o 7º PIB do mundo de 2,5 trilhões de dólares passa a valer menos que HUM TRILHÃO E 630 BILHÕES DE DÓLARES.

    Pois foi assim que a Trindade do Mal impingiu a evaporação de hum trilhão de dólares arredondado das riquezas produzidas, no ano, no Brasil, e na maior cara de pau, o cúmulo da imoralidade – que chamo de crime lesa humanidade -, ainda quer processar a Petrobrás. Hora da nação – sociedade civil e forças armadas – produzir a Bomba brasileira. Só se defende do mal com mal igual, pois maior não tem !

  2. Marco Magioli permalink
    10/04/2015 17:44

    Interessante o aceno Norte Americano no Encontro Pan Americano . Os gringos se oferecendo para investir em infra estrutura e comprar empreendimento. A quanto o dólar ?
    ANTES DO “DUMPING” que eles promoveram R$2,00, O O dólar de R$3,20 ? A alma, o invisível do Hum Trilhão de dólares aparece na moeda do estrangeiro super avaliada. É ROUBO !

  3. Marco Magioli permalink
    12/04/2015 12:05

    BOM DIA !
    FORA DILMA E VENHA OS NORTE AMERICANOS E CHINESES ? AMPLIEMOS A VISÃO PARA OBTERMOS O PONTO DA QUESTÃO CENTRAL!!!!
    Voltando à reflexão, 12.04.2015. ( COM ADITAMENTOS)
    Não há sociedades, nem organizações multinacionais, ou organizações muito amplas que não haja no seu núcleo, ou em seus orgãos corrupções, desvios, fraudes. DEVEM SIM, AGIREM COM SEUS ORGÃOS INTERNOS E EXTERNOS DE DEFESA. Assim, vamos da padaria do Seu Manoel até as grandes Nações no mundo.
    Entretanto, uma Instituição econômica dada, com vultosos movimentos financeiros, a exemplo de uma Petrobrás aos Estados Unidos da América, tendem a perceber, sentir menos um prurido, uma coceira em seu corpo, enquanto uma unidade complexa e de dimensão significativamente grande. Ou seja as fraudes, e atos de corrupção.
    O que não se pode aceitar é quando uma crise global atinge tais instituições mediante violenta ação de “dumping” ( ação econômica que uma parte interessada produz, mediante redução expressiva de preços, produzindo consequências premeditadas em outros atores institucionais, entre as quais falências de empresas e falta de liquidez para quitar seus débitos com os credores internacionais – países sem recursos para pagar.)
    Assim, em tais oportunidades encontra-se quase que sempre os oportunistas de plantão que – de má-fé -, passam a atribuir às preditas fraudes, corrupções e desvios todas as causas nas Instituições, antes economicamente fortes e posteriormente combalidas em quase a sua totalidade pela causa do “Dumping” precitado.
    Dando os nomes aos bois, como o povo gosta de falar, imagine o Barril de Petróleo, há poucos meses passados, vendido no mercado internacional a $160,00 (dólares) e a seguir sofrer uma queda para $45,00 (dólares). ESTA ESPECULAÇÃO CAMBIAL QUEBROU LITERALMENTE TODO O PLANEJAMENTO DA PETROBRÁS NA EXPLORAÇÃO DO PRE-SAL, JOGADO PRATICAMENTE FORA O PETRÓLEO QUE ESTA SENDO RETIRADO AO CUSTO DE 60,00 DÓLARES COM O PREÇO DO MERCADO INTENACIONAL DO BARRIL DE PETRÓLEO A $45 DÓLARES. Mas, não percam de vista o volume em bilhões de dólares que esta ação Mundial gerou mal intencionadamente. Vamos à Autoria: Arábia Saudita, o mais importante protetorado dos EUA. OPEP, a união internacional de petróleo que determina o preço internacional do produto através da maior oferta – que causa a queda do preço -, ou através da menor oferta – que causa o aumento do preço do Barril de petróleo. Como vemos, Arábia Saudita e os EUA possuem uma unidade política e econômica no Mercado Internacional do Petróleo, via de consequência a OPEP fortalece esta unidade.
    Quantos bilhões de dólares de prejuízo esta Demoníaca Trindade do Mal deram causa?
    Façamos um exercício de proporcionalidade entre os danos da corrupção e fraudes na Petrobrás e a Política da “Trindade do Mal”. Mal comparando seria a proporção de um tostão para um trilhão ? Afirmo intuitivamente que sim ! Entretanto, os corruptos e fraudadores estão nas malhas – como deve ser -, assumiram o risco, e estão pagando alguns e começarão a pagar os outros. Agora quem condenará a Trindade do Mal pelo MAIOR “Dumping” DA HISTORIA DA HUMANIDADE? Quem os acusarão de cinismo de quebrarem a economia de vários países e, como no caso de um dos membros da Trindade do Mal, ainda processarem dentro de seu país a quebra da maior empresa Latino Americana de Petróleo, culpando os fraudadores de milhões e omitindo os trilhões de dólares causado no mundo inteiro.
    A título de demonstração das consequências da Trindade do Mal, vejamos o 7º PIB do mundo pertencentes ao Brasil, no valor de 5 trilhões de reais. Sofrendo uma das várias consequências da orquestração daTrindade Maléfica, a conversão em dólares antes do precitado “MAIOR DUMPING DO MUNDO” era de $2,5 trilhões de dólares – antes do “dumping” o dólar era convertido, valia R$2,00 ( DOIS REAIS). depois do “DUMPING” o dólar disparou para R$3,20 ( três reais e vinte centavos). Neste ponto, o Brasil inteiro perdeu mais de HUM TRILHÃO DE DÓLARES ( BASTA DIVIDIR 5 TRILHÕES DE REAIS POR R$3,20 = 1,625 TRILHÕES DE DÓLARES), o 7º PIB do mundo de 2,5 trilhões de dólares passa a valer menos que HUM TRILHÃO E 630 BILHÕES DE DÓLARES.
    Pois foi assim que a Trindade do Mal impingiu a evaporação de hum trilhão de dólares arredondado das riquezas produzidas, no ano, no Brasil, e na maior cara de pau, o cúmulo da imoralidade – que chamo de crime lesa humanidade -, ainda quer processar a Petrobrás. Hora da nação – sociedade civil e forças armadas – produzir a Bomba brasileira. Só se defende do mal com mal igual, pois maior não tem !

  4. 13/04/2015 20:22

    Republicou isso em Econo Marx 21.

  5. Marco Magioli permalink
    14/04/2015 12:15

    _E a Trindade do Mal – EUA-SAUDITAS-OPEP-, continuam nadando de braçadas, o Brasil e sua intelectualidade continuam se abstraindo da causalidade determinante da crise brasileira, ao mesmo tempo que fazem o jogo da direita de concentrar toda a crise ao fato corrupção.
    Chega!!!! Um pouco de visão Global e GEO-POLÍTICA, genteeee !!!
    ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Texto Jornalistico na mesma densidade e direção do texto acima: “Partes de uma Guerra Econômica Contra o Brasil
    Essa matéria foi publicada na Edição 477 do Jornal Inverta, em 10/04/2015

    Como já era previsto em diversos textos e analises o ano de 2015 seria de intensa movimentação no cenário político. Mas agora as coisas ficaram mais claras, e desde o final de janeiro para cá o Brasil entrou em um redemoinho, onde informações a todo o momento apontam para um cenário de recessão, aumento de preços, desemprego em diversos setores e crise institucional.

    A imprensa burguesa repete em mantra a todo o momento que tudo isso é efeito colateral das denuncias de corrupção revelada pela Operação Lava-Jato desde o ano passado.

    Mas a verdade é que acontece no Brasil é parte de um fio condutor que não pode se reduzir a uma formula simplista de causa-efeito, só sendo possível compreender essa crise observando do universal para o particular.

    Em uma ponta do fio, uma articulação imperialista visando derrubar governos não alinhados com os Estados Unidos. Na outra ponta, a burguesia ligada ao capital financeiro e a imprensa corporativa que faz o trabalho sujo, preparando o terreno para as intenções golpistas.

    Essa articulação imperialista é uma clara reação ao papel que o Brasil tem desempenhado na alternativa da hegemonia mundial, onde o país é protagonista, junto com Rússia e China, no BRICS como novo projeto de desenvolvimento, tanto do ponto de vista geoeconômico quanto geopolítico.

    O BRICS tem se tornado uma alternativa para os países do sul do globo, como demonstrado no giro de acordos comerciais de Vladimir Putin e Ji Xiping tem fechado na América Latina com Argentina e Venezuela.
    Salientemos ainda que as denuncias do ex-espião Edward Snowden demonstram que o alvo principal da espionagem da NSA foi especialmente o Brasil e a Petrobrás.

    Tal fato foi em parte ignorado (popositalmente) pela imprensa burguesa, nem foi dada a devida atenção à gravidade dos fatos.

    A inundação do mercado
    causa desestabilização
    O método de guerra econômica empregada foi o dumping do petróleo, inundou o mercado e desencadeou a baixa drástica do preço do petróleo, vendendo 11,8 milhões de barris (dois milhões a mais que sua cota) a um preço de US$50-60 o barril (d/B), ou seja, até US$40 menos do que alguns meses atrás.

    Como é sabido, em setembro do ano passado John Kerry, secretário de Estado dos Estados Unidos fechou um acordo com o rei Abdullah, grande aliado dos imperialistas, sob o qual os sauditas venderiam petróleo cru abaixo do preço de mercado.

    Para isso, aumentou consideravelmente a produção do barril tipo brent e barateou a oferta no mercado mundial.

    Assim, a Arábia Saudita sufocou os mercados com petróleo super barato, causando um verdadeiro terrorismo com os demais produtores.

    Os primeiros países a sentirem negativamente o efeito foi Irã e Rússia, justamente dois países que rivalizam com Arábia Saudita e EUA. A manipulação do preço do barril brent visa claramente desestabilizar os oponentes diretos dos Estados Unidos.

    A estratégia não é nova, em 1985, os sauditas muy amigos aumentaram sua produção de 2 a 10 milhões de barris por dia e vendeu a 10 dólares em vez dos 32, que era seu preço, obrigando a URSS a vender seu barril por 6 dólares e ferindo a economia soviética.

    O objetivo dessa empreitada é a minar o avanço dos BRICS, prejudicando as grandes empresas petroleiras. A russa Gazprom, por exemplo, cada redução de US$10 no preço do barril de petróleo significa que a Rússia deixa de receber US$14,6 bilhões ao ano.

    No Brasil, a campanha de terrorismo econômico e demonização de Dilma Rousseff visa, com isso, comprometer a expansão de longo prazo da Petrobrás para financiar novos projetos de infraestrutura e de exploração dos depósitos do pré-sal. A Petrobras é o alvo preferencial.

    Batalha de informação
    Uma falácia repetida mil vezes até parecer verdade é a que a economia brasileira chegou no atoleiro de um projeto falido desde o princípio.

    A verdade é que os dados da economia brasileira demonstram o contrário. O Brasil deixou de ser uma economia irregular e vulnerável para se tornar a sétima maior do mundo.

    Prova é que o Brasil teve a maior taxa de crescimento das últimas décadas em 2010 (7,5%). Entre 2008 e 2014, o Produto Interno Bruno (PIB) brasileiro e o mundial tiveram a mesma média de crescimento, 3,2%.

    A produção de petróleo da Petrobras atingiu a média de 2,209 milhões de barris/dia, se tornando a maior produtora de petróleo entre as empresas de capital aberto no mundo.

    É a quarta maior empresa em volume em investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento do mundo (US$ 1,132 milhão) e a maior do mundo na área de petróleo.

    No início de fevereiro, a Petrobrás recebeu pela terceira vez o OTC Distinguished Achievement Award, o maior prêmio concedido a uma empresa de petróleo por seu desenvolvimento tecnológico, reconhecimento ao conjunto de tecnologias desenvolvidas para produção de petróleo e gás natural na camada do pré-sal.

    Além disso, o setor representa 13% do PIB nacional, com expectativa de crescer ainda mais. Também contribui positivamente para os bons índices de emprego do País.

    Este ano, com dez estaleiros de médio e grande porte em operação, já são 80 mil empregos diretos e aproximadamente 320 mil indiretos. Em 2017, o número de vagas diretas nos estaleiros deve chegar a 101 mil.

    As expectativas de investimentos nos 22 setores da economia para o período de 2015-2018 é 17,1% superior ao realizado no período de 2010 a 2013, de acordo com o BNDES.

    Juntos, Brasil, a Venezuela e a Argentina, os três países exportadores de petróleo e as três maiores economias da América do Sul, com um enorme peso econômico, são um entrave enorme à expansão dos projetos hegemônicos do imperialismo na região.

    Todos estes dados demonstram que o cenário de convulsão política e crise econômica são indícios claros que a demonização de Dilma Rousseff foi orquestrado por principalmente por interesses externos.

    O grande temor do Tea Party americano é que um governo forte e nacionalista no Brasil possa endurecer o discurso regional de independência impulsionado pelo BRICS.

    Debilitar a Petrobrás, e, por consequência, o poder de fogo do governo recém-eleito, viria bem a calhar aos imperialistas ianques.

    Dessa forma, os ataques criminosos do imperialismo e seus arautos não visam atacar o “projeto petista”, mas é desmanchar o Estado brasileiro e seu desenvolvimento soberano.

    José Carapinima “

  6. Marco Magioli permalink
    16/04/2015 15:24

    Com um só tiro, O DUMPING NO PREÇO DO PETRÓLEO – os EUA mata a Petrobrás, depois a processa na sua Justilça, joga o Brasil na recessão – stag-inflação -, desmonta a esperança da Venezuela sair da crise, sufoca a Rússia no cerco conjunto com a Europa do EURO, como retaliação da Invasão Rússa à Ucrania, e o que não acostuma fazer, faz acordo com o Irã, passando o Trator em Israel. De quebra enfraquece o ISIS – O Estado Islâmico que possui significativa fontes de petróleo financiando suas barbárie. e abre perspectivas às sua lucrativas indústrias bélicas, gerando milhões de empregos dos norte americanos simultâneamente com a consequências de milhões de mortos das suas guerras.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: