Skip to content

O impeachment como uma anti-revolução

30/04/2016

           Sou um dos poucos que tem dito e repetido que a ascensão do PT e de seus aliados ao poder central do estado, tem significado a verdadeira revolução pacífica brasileira que, pela primeira vez, ocorreu no Brasil. Florestan Fernandes escreveu sobre “A revolução burguesa no Brasil”(1974) que representou a absorção pelos empreendedorismo pós-colonial de um padrão de organização da economia, da sociedade e da cultura, com a universalização do trabalho assalariado, com uma ordem social competitiva e com uma economia de mercado de bases monetárias e capitalistas (cf.em Intérpretes do Brasil, vol 3, 2002 p. 1512).

Se bem repararmos, não ocorreu propriamente uma revolução mas uma modernização conservadora que alavancou o desenvolvimento brasileiro, mas não teve, o que é decisivo para se falar de revolução, de uma mudança do sujeito de poder. Os que sempre estiveram no poder, sob várias formas, continuaram e aprofundaram seu poder. Mas não houve uma mudança de sujeito do poder como agora.

Pois é isso, que a meu ver, ocorreu com o advento do PT e aliados com a eleição de Lula a presidente. O sujeito não é mais formado pelos detentores de poder, tradicional ou moderno e sempre conservador mas pelos sem-poder: os vindos da senzala, das periferias e dos fundões de nosso país, do novo sindicalismo, dos intelectuais de esquerda, da Igreja da libertação com suas milhares de comunidades de base. Todos esses, num longo e penoso processo de organização e articulação conseguiram transformar o poder social que haviam acumulado num poder político-partidário. Via PT operaram analiticamente uma autêntica revolução.

Superemos a visão convencional de revolução como um processo de mudança ligado à violência armada. Assumimos o sentido positivo dado por Caio Prado Jr em seu clássico “A revolução brasileira” (1966,p.16): “transformações capazes de reestruturar a vida de um país de maneira consentânea com suas necessidades mais gerais e profundas, e as aspirações da grande massa de sua população que, no estado atual, não são devidamente atendidas, algo que leve a vida do país por um novo rumo”.

Pois foi isso que efetivamente ocorreu. Conferiu-se um novo rumo ao país. Lula presidente teve que fazer concessões à macroeconomia neoliberal para assegurar a mudança de rumo, mas abriu-se ao mundo dos pobres e marginalizados. Conseguiu montar políticas sociais, algumas inauguradas anteriormente de forma apenas inicial, mas agora oficiais como políticas de estado. Elas “atenderam as necessidades mais gerais e profundas que não haviam sido antes devidamente atendidas”(Caio Prado Jr.).

Enumeremos algumas de todos conhecidas como a Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Luz para Todos e as inúmeras universidades e escolas técnicas, o FIES e os diversos regimes de cotas para o acesso à universidade. Ninguém pode negar que a paisagem social do Brasil mudou. Todos, também os banqueiros e os endinheirados (Jessé de Souza) saíram ganhando.

Logicamente, herdeiros de uma tradição perversa de exclusão e de desigualdades gritantes, muita coisa resta ainda por fazer, particularmente no campo da saúde e da educação. Mas houve uma revolução social.

Por que nos referimos a todo esse processo? Porque está em curso no Brasil a negação de uma reevolução, melhor, de uma anti-revolução. As velhas elites oligárquicas nunca aceitaram um operário como presidente. Relacionada à crise econômico-política (que devasta a ordem capitalista mundial), uma direita conservadora e rancorosa, aliada a bancos e ao sistema financeiro, a investidores nacionais e internacionais, à imprensa empresarial hostil, a partidos conservadores, a setores do judiciário, da PF e do MP sem excluir a influência da política externa norte-americana que não aceita uma potencia no Atlântico Sul ligada aos BRICS, esta direita conservadora está promovendo a anti-revolução. O impeachment da presidenta Dilma é um capítulo dessa negação. Querem voltar ao estado anterior, à democracia patrimonialista, de costas para o povo, pela qual se enriquecem como no passado, usando postos no Estado eà custa do Estado.

Além de defender a democracia e desmascarar o impeachment como golpe parlamentar contra a presidenta Dilma, importa assegurar a revolução brasileira, para a qual esperamos por séculos. Repito o que escrevi e vi num twitter:”Se os pobres soubessem o que estão armando contra eles, as ruas do Brasil seriam insuficientes para conter o número de manifestantes que protestarão contra”.

Leonardo Boff é articulista do Jornal do Brasil on line e escritor

 

 

19 Comentários leave one →
  1. adenir balmant permalink
    01/05/2016 9:28

    Neste primeiro de maio vestimos a camisa do trabalhador que com o seu suor abre melhores condições de vida para todos. Nossa opção preferencial é pelo trabalhador e pelos pobres. VIVA O TRABALHADOR BRASILEIRO. VIVA DILMA,mas sem o título ridículo e impositivo de PRESIDENTA. Pequenas imposições podem significar grandes DESVIOS como dizia o caminhoneiro> EU DIRIJO, DEUS GUIA E O GOVERNO DESVIA.

  2. 01/05/2016 12:39

    sou da teologia da teologia da libertaçao e da filosofia do PT,mas como aceitar o aumento da corrupção e o crescimento inesplicavel dos fllhos do LULA

  3. 01/05/2016 14:03

    Concordo plenamente com Leonardo Boff. Infelizmente as elites brasileiras se acostumaram a pensar exclusivamente no seu próprio enriquecimento a qualquer custo. São incapazes de sequer olhar para aquela parcela excluída da sociedade que não vive mas vegeta com as migalhas que muitas vezes vão buscar no lixo onde a as elites colocam seus dejetos. J.F,Medeiros

  4. Mario Real permalink
    01/05/2016 14:18

    Então Frei. Voltasses a retórica do PT puro e límpido, de um lulla defensor dos pobres, do golpe contra santa dillma, da vigilância ostensiva do dragão americano, da revolução popular silenciosa e ordeira etc etc etc…
    É difícil num curto comentário rever cada afirmação colocada, mas num “intento de integracíon” vou colocar o contra ponto.
    Nem o Frei Leonardo e sua visão, nem o mercado e sua leitura dos fatos !
    A análise objetiva demonstra e ilumina todos os excessos de ambas visões. Pergunto: a rejeição a dillma é fruto apenas das notícias da imprensa patrimonial (como sugeres) ? Ou a rejeição faz parte de um contexto mais abrangente que envolve uma sequência desastrosa de intervenções na vida das pessoas ?
    Teria a ver com Pasadena e seu prejuízo público astronômico ? Teria a ver com as MENTIRAS eleitoreiras ? Teria a ver com o uso do cargo para FAVORECER correligionários ? Teria a ver com a tentativa de incluir a ideologia de gênero na educação de nossos filhos ? Ou ainda, seria decorrente da a.b.s.o.l.u t.a incompetência administrativa, do seu despotismo, autoritarismo e de sua visível carência teológica ?
    Não. Dirão os petistas….
    Dillma foi eleita e é um golpe.
    Não, dizem 90% dos brasileiros, dillma é uma agente golpista que deseja empurrar goela abaixo toda sua visão tacanha de um mundo que não existe mais. A década de 60 passou fazem + de 50 anos…
    Assim Frei, essas questões de rico e pobre sempre existiram e sempre existirão, como existem na sua Cuba querida, na Rússia com o déspota de plantão, como existe no pt que atualmente, se e.s.c.o.n.d.e. atrás dos pobres, para tentar manter vivo e funcionando um esquema torpe e criminoso de poder pelo poder, em boa parte apoiado por pessoas esclarecidas e articuladas como o Sr .
    Frei,
    O Sr acha correto o lulla mentir e roubar o patrimônio público ?
    O Sr julga correto a dillma autorizar a compra de Pasadena ?
    O Sr, mesmo não tendo filhos, acha correto os filhos dos outros serem ensinados a se auto bolinar com a 4 a 5 anos em escolas públicas?
    O Sr julga correto invadir propriedades rurais, matar pessoas, roubar gado, destruir patrimônio somente em nome da desigualdade?
    O Sr é cristão ? Cristão praticante?
    Frei
    O Sr tem conta corrente ? Qual o valor lá depositado ? O Sr faz declaração de renda de tudo ? ? ? ? ? Porque não distribui ? …………………. É ?
    Frei. Nosso país não precisa de mais divisões. Dividir, Mentir e Acusar falsidades dá nisso. 12.000.000 de desempregados. Inflação elevadíssima. Falta de dinamismo empreendedor. Beira de um caos social.
    O Sr quando adoece vai a algum hospital público ? Sim ou não ?
    Ahh entendi… o Sr tem um convênio etc…. então…….. é simples retórica divisionista. Ok. Atitude muito cristã, aliás, há inúmeros petistas que vão se tratar no SUS !!!!
    Opss …… menos lulla e dillma que vão no Sirio-Libanês.
    Frei
    Hora de virar o lado do CD.
    Passou. Perdeu o Brasil. São corruptos. São incompetentes. São humanos, como eu e o Sr. Não são semi-deuses. Mudaremos para que possamos melhorar. A expiação dos pecados petistas deverá demorar uma década, no minimo.
    O povo pode parecer, mas não é bobo.
    A ver !

    • 02/05/2016 1:41

      Vc toma o caminho fácil de não se confrontar com minha interprteção. Vc parece que nção conhece nada dos grandes intérpretes de nossa historia. Discuta comigo e não com suas fantasias.

      • Mario Real permalink
        02/05/2016 7:52

        Exatamente isso. Fiz-lhe diversas perguntas e o Sr não respondeu nenhuma. Típico de quem julga estar com a verdade acima de tudo e todos. Responda-me e iniciaremos um debate. Relembro o que aqui escrevi há tempos, o velho PT mudou para pior é hoje é o pt minúsculo por sua própria vilania. Volte as vilas e favelas e veja a situação. Vá a um posto público de saúde e entenda o lado cruel do roubo petista. Convide um contador amigo e peça-lhe que lhe debulha as contas do Brasil ! Peça-lhe que compare com 2002, quando o pt chegou. Frei . Acorde ainda é tempo. Use sua inteligência para a razão e não esqueça de expressar a realidade presente, não um imaginário possível mas abortado pela sanha humana, travestidas de partido político e que atualmente se e.s.c.o.n.d.e atrás do povo humilde e pobre… e pior, usa-o como massa de manobra. Uma lástima.

      • 06/05/2016 1:24

        Mario, vc não tem nenhuma obrigação em me seguir e eu não tenho nenhuma obrigação em lhe responder. Desculpe.

      • Maria Alice Batista permalink
        02/05/2016 22:45

        Minha admiração pelo senhor, Leonardo Boff, aumenta cada vez mais; até para responder uma carta completamente equivocada como esta escrita acima, o senhor tem a elegância e a sabedoria necessárias, a altura do grande pensador que é.

  5. Dedé - José Joaquim Lopes Gomes permalink
    01/05/2016 17:46

    É necessário considerar as interpretações que as pessoas fazem sobre os caminhos e processos que vão ocorrendo na vida, na história…, entretanto, boa parte desses caminhos e processos são opcionais, não são apenas dialéticos, são resultados de escolhas subjetivo-diretivo-conjuntural-grupal, as quais por vezes decorrem de pressa, precipitação, pressão. Isto define determinadas estratégias e condutas, por vezes questionáveis, inclusive em razão de contradições histórico-suicidas e de resultados efêmeros.

    Por isso, é preciso olhar além do presente, do passado e do futuro imediatos, sem prejuízo de ações sobre estes.
    Neste sentido, peço licença a vocês para postar a seguinte mensagem:
    Não sabemos…
    como serão as realidades da segunda metade do século XXI,
    nem como serão as pessoas, a história, a vida e a natureza no futuro mais distante,
    mesmo porque os contrastes dos séculos anteriores
    estão se agudizando e agonizando
    esta primeira metade do século corrente,
    que infelizmente corre-foge de mudanças históricas coerentes,
    seja porque os capitalistas continuam dirigentes,
    seja porque a esquerda se revelou incoerente.
    Mas, sabemos…
    que no 1º DE MAIO DE 2016,
    PERMANECEM OS MESMOS DILEMAS HUMANOS ECONÔMICOS POLÍTICOS SOCIAIS que motivaram
    o primeiro 1º de maio da história.
    Domingo, significa primeiro,
    Assim, o 1º de maio de 2016, domingo,
    pode ser um dia de primeira mão
    para reabrir a reflexão
    sobre as origens das crises,
    das práticas e dos nomes de trabalho, capital, empregado, estado, patrimônio, patrão,
    e…
    por que ainda…
    não há
    economia, cultura e sociedade de irmão…
    FELIZ DIA DO TRABALHADOR!
    FELIZ FUTURO!

  6. 01/05/2016 23:46

    Alegra-me e consola-me de ter um irmão cristão , de bom senso e iluminado, que passa para nós o que tem ocorrido de valoroso na História do nosso Amado Brasil.Deus lhe pague e ilumine sempre mais, especialmente nas vésperas do Pentecostes! Marízia Costa Carmo Lippi,Diocese de Petrópolis,1/5/16,23,50 hrs.

  7. Marcello Silva dos Santos permalink
    02/05/2016 18:02

    Falácias. Muitas falácias.
    Não se trata de político que gosta ou não de pobre. De elites. Na verdade criou-se esse mito de que existe essa divisão se confrontando.

    O social teve uma melhora? Sim, teve. Mas isso não os exclui de serem passivos penais. Trata-se aqui de penalizar quem deva ser penalizado, não importa quem seja. Não importa o quanto de bondade fez no passado ou boas intenções. Ou temos lei ou então rasguemos nossa Constituição para vivermos como na antiguidade.

    Eu acho que se os pobres tivessem consciência do que fizeram esses “heróis”, quantos remédios são possíveis comprar com apenas 1 milhão de reais; se soubessem quantos hospitais ou médicos poderiam ser pagos com 100 milhões de reais; se soubessem qual a montanha de dinheiro que representa 1 bilhão de reais (todos esses números são cifras representando valores desviados nesses esquemas de corrupção) eles também sairíam de suas casas para vir à pé até Brasília para pedir a saída desses corruptos do PT (ou qualquer outro).

    Sustentar que existe essa divisão entre heróis revolucionários e golpistas da elite é no mínimo uma afronta à inteligência. É mesquinho e equivocado. E estranhamente tem sido comum atualmente ver pessoas pobres que têm consciência da situação à volta delas…o suficiente para perceberem que estão sendo roubadas e não protegidas pelos “heróis dos pobres”.

    Mais uma vez… Não se trata de ser este limpo ou não para assumir a posição daquele, trata-se apenas de colocar a lei em prática, pois de cadeia os pobres já são vítimas cotidianamente, mas os políticos corruptos são tratados como heróis da revolução.

  8. 02/05/2016 23:34

    ma-ra-vi-lho-so. LUCIDEZ. ATÉ QUE ENFIM ACHEI ALGUÉM LÚCIDO!

  9. 03/05/2016 8:06

    Republicou isso em Zefacilitadore comentado:
    “”Se os pobres soubessem o que estão armando contra eles, as ruas do Brasil seriam insuficientes para conter o número de manifestantes que protestarão contra”.”

  10. André Lacerda permalink
    05/05/2016 14:51

    Sobre o processo de impeachment em andamento, gostaria de dizer que gostei da entrevista da presidente Dilma e de sua resoluta determinação de não renunciar sob a convicção de sua inocência e também para não deixar que os golpistas saiam dessa história como ‘bons moços’. Afinal, os golpistas são nocivos à democracia e precisam ser expostos ao máximo possível, para o bem do Brasil e para os gringos conhecerem melhor a nossa fraca estabilidade política, razão direta de nossa grave iniquidade social. Com relação a palavra ‘golpe’, surpreendeu-me a fala do entrevistador Jô Soares que, em entrevista com a Ministra Kátia Abreu, disse que teria sido mal aplicada. Ora, ninguém falou em golpe militar, e nem todos os golpes são militares. Mas o que se vivencia na mídia e nos bastidores da política não deixa dúvidas quanto ao sinistro, que extrapola em muito uma manobra meramente política. E um exemplo bem claro está agora na cassação do Cunha, que ocorre só depois de aprovado o processo de impeachment na Câmara, no velho estilo agrobusiness: usa-se o boi, castra-se o boi. E tal qual Jefferson, que aos poucos retorna a cena política, Cunha também deve retornar. Será só uma questão de tempo em mais uma versão da história pra boi dormir. Mas voltando a entrevista de Dilma, é bom observar que a presidente não se disse surpresa. Ora, mas nem poderia, né? Escolher o PMDB como aliado é não Temer surpresas desagradáveis. Bem feito pro PT, e azar o nosso.

  11. Dedier Pereira da Silva permalink
    13/05/2016 14:42

    revolução social já armada, sem dó ( è umas vergonha o maior bandido que essa pátria já aceitou está mexendo pauzinhos na cara dessa sociedade, forçando a ser como ele.
    pegue em armas e vamos pra rua já.

  12. Ida permalink
    30/06/2016 9:55

    O Brasil só está renovando suas elites. “Pão e circo pra todo mundo” – e os cristão que se cuidem…

Trackbacks

  1. O impeachment como uma anti-revolução — Leonardo Boff | Diário de Nilton Felipe
  2. O impeachment como uma anti-revolução — Leonardo Boff – Acaraú Inclusiva
  3. O impeachment como uma anti-revolução – Blog Fé na Caminhada

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: