Skip to content

Bolsa Juiz x Bolsa Família: uma comparação que desnuda os dois Brasis

09/02/2018
Uma família atendida pelo Bolsa Família e o casal Bretas, símbolo do Bolsa Juiz

Neste artigo, um quadro que apresenta a comparação definitiva entre os programas do Bolsa Juiz (auxílio moradia + auxílio alimentação) e do Bolsa Família. Um retrato do comportamento das elites e do comportamento do povo; um exemplo concreto do tratamento que os ricos dispensam aos pobres no Brasil

Por Mauro Lopes

A diarista Selma Patrícia da Silva, de 42 anos, já foi beneficiária de programas de transferência de renda do governo, mas voluntariamente abriu mão depois que melhorou de vida. Selma diz ter recebido dinheiro do Auxílio Gás, do Bolsa Escola e do Bolsa Família na época em que ela e o marido faziam bicos como doméstica e pedreiro para sustentar os cinco filhos. Após construir a casa onde vive, em Formosa (GO), a diarista decidiu devolver o cartão, em 2013. “Pensei assim: da mesma forma que serviu para os meus filhos, vai ajudar outras pessoas. Acho muita covardia a pessoa não necessitar e ficar recebendo”, relembra Selma.

O juiz Marcelo Bretas tomou um caminho oposto ao de Selma. Ele tornou-se uma “celebridade” há cerca de um ano por suas sentenças duríssimas na Lava Jato, pelas citações bíblicas nas mesmas sentenças, pelo gosto pelas redes sociais e por se apresentar como paladino da moralidade. No entanto, apesar de ele a e mulher, Simone Bretas, também juíza, receberem mais de R$ 60 mil reais mensais, foram à Justiça para “exigir o direito” de ambos receberem o auxílio moradia no valor de R$ 8.754,00 mensais, apesar de morarem terem apartamento próprio no Rio de Janeiro, onde moram.  Bretas defendeu seu “direito” e o da mulher à mamata num tuíte  apesar de resolução do Conselho Nacional de Justiça haver regulamentado o assunto em 2014 e vetado o auxílio moradia para juízes que têm residência na cidade onde trabalham. Não só brigaram para receber como ainda entraram numa queda de braço com Bradesco para reajustar o aluguel de um de seus imóveis próprios no Rio de R$ 10.685,80 para R$ 20 mil. Isso e ainda contar os R$ 907,00 que o casal juiz/juíza recebem como auxílio alimentação – o que cada um se apossa só em auxílio alimentação já é bem superior ao teto do benefício do Bolsa Família. Somados, os dois benefícios compõem o Bolsa Juiz do casal: R$ 9.661,00 mensais.

Selma e o casal Bretas: duas maneiras de ver a vida, o Estado e o Brasil

São duas maneiras de enxergar o Brasil, a relação com as pessoas e o Estado. Selma entendeu que os recursos do Estado são finitos e que o benefício que ela abriu mão de receber pode ajudar outra pessoas em condição pior que a dela –não por ter ficado rica, apenas por ter ficado menos pobre. Bretas e sua mulher são insaciáveis. Esfolam o Estado como os demais ricos do país. Para eles, os recursos públicos são um espólio de guerra –da guerra contra pobres- sobre o qual avançam com um apetite sem fim. O casal Bretas arranca mensalmente pelo menos R$ 80 mil do Estado direta ou indiretamente. Mas não basta –nunca basta.

O caso de Selma e do casal Bretas é um exemplo do abismo que separa ricos e os pobres no Brasil –e o dinheiro sequer é a maior distância entre eles. A elite brasileira não faz a menor ideia do que significam solidariedade ou compaixão, substantivos muito concretos no cotidiano duro dos mais pobres, que tecem frágeis redes de apoio entre si.

Bretas, Moro, os três desembargadores do TRF4 que condenaram Lula em 24 de janeiro com frases tonitruantes em seus votos, todos eles têm imóveis de alto valor nas cidades em que moram e trabalham –e todos recebem o Bolsa Juiz. Os exemplos não param: um desembargador de São Paulo, José Antonio de Paula Santos Neto, do Tribunal de Justiça, tem 60 imóveis registrados em seu nome na Prefeitura da cidade –mesmo assim açambarca mensalmente o Bolsa Juiz (auxílio moradia + auxílio alimentação).

O abismo entre a elite do país e os milhões e milhões de pobres tem o tamanho da distância que separa o Bolsa Juiz do Bolsa Família. Tudo o que neste artigo está exemplificado nos casos de Selma, do casal Bretas, de Moro, dos desembargadores do TRF4 e do desembargador dos 60 imóveis é a personificação dos programas Bolsa Juiz e Bolsa Família.

Constate as diferenças brutais entre um e outro. Por trás do Bolsa Juiz está a defesa dos empréstimos subsidiados que os empresários colhem nos bancos públicos, o dinheiro sem conta que deixam de recolher porque impõem uma estrutura tributária que massacra os pobres enquanto isenta-os de todos os lados, os trilhões de dinheiro do povo dos quais apoderam-se há anos, recebendo os juros da dívida pública. Olhando o Bolsa Família é possível sentir o sofrimento, a vida dura, a pobreza do povo brasileiro –mas, igualmente, sua dignidade.

 

Anúncios
11 Comentários leave one →
  1. Antonio Brito permalink
    09/02/2018 20:10

    Será que vai aparecer quem defenda essa aberração? Algum midiota? Algum representante da “Elite do Atraso”?

    Curtir

  2. 09/02/2018 22:04

    Imoralidade por partes destes oportunista que se dizem defensor da justiça!

    Curtir

  3. Sidnei Ribeiro de Moraes permalink
    10/02/2018 8:18

    Só não entendi porque se referir aos juízes que condenaram Lula. E os outros? E o ex advogado do PT Dias Tófoli?: E Ricardo Lewandovski? E os ,advogados do Lula? Quem paga? E Sepúlveda Pertence, agora advogado de Lula. ex STF? E Gleisi? E Lindibergh Farias? E Renan? E Fátima Bezerra? Vanessa Graziotim? E todo o legislativo, executivo e judiciário de estados e municípios inclusive? Ah, entendi, só é anti ético quem é contra Lula…o problema do Brasil são os alienados que veem políticos como times de futebol, ou seja, se é o seu está sempre certo. Lula é bandido, Dilma é criminosa, FHC, Collor, Sarney, Temer deveriam estar todos presos e terem seus bens confiscados,assim como aqueles que colaboraram com eles, simples assim, pois dilapidaram o Brasil. Mas com essa filosofia do pensamento único do nós contra eles, ou pensa como eu ou é meu inimigo, não chegaremos a lugar nenhum.

    Curtir

  4. 10/02/2018 9:15

    https://wordpress.com/post/estevamweb.wordpress.com/990… Brasil: um poço sem fundo no Blog Sabedoria do Amor

    Curtir

  5. 10/02/2018 14:56

    “Não ao que é ilícito e injusto!” (Frei Betto, Dominicano). ” Política é uma maneira nobre e exigente de servir ao próximo.”(Papa Paulo VI). “O que fizeram com o Lula e sua família é uma indignidade levada avante por golpistas que a exemplo de 1964, não supotam o avanço de reformas que visam tirar o povo da miséria.” (Dom Angélico Sândalo Bernardino, Bispo Hemérito ).Bolsa Família para juízes é o protótipo do egoismo, da insensibilidade, do desamor aos pobres PREDILETOS DE JESUS CRISTO!

    Curtir

  6. 11/02/2018 22:00

    Republicou isso em Paulosisinno's Bloge comentado:
    Neste artigo, um quadro que apresenta a comparação definitiva entre os programas do Bolsa Juiz (auxílio moradia + auxílio alimentação) e do Bolsa Família. Um retrato do comportamento das elites e do comportamento do povo; um exemplo concreto do tratamento que os ricos dispensam aos pobres no Brasil

    Por Mauro Lopes

    A diarista Selma Patrícia da Silva, de 42 anos, já foi beneficiária de programas de transferência de renda do governo, mas voluntariamente abriu mão depois que melhorou de vida. Selma diz ter recebido dinheiro do Auxílio Gás, do Bolsa Escola e do Bolsa Família na época em que ela e o marido faziam bicos como doméstica e pedreiro para sustentar os cinco filhos. Após construir a casa onde vive, em Formosa (GO), a diarista decidiu devolver o cartão, em 2013. “Pensei assim: da mesma forma que serviu para os meus filhos, vai ajudar outras pessoas. Acho muita covardia a pessoa não necessitar e ficar recebendo”, relembra Selma.

    O juiz Marcelo Bretas tomou um caminho oposto ao de Selma. Ele tornou-se uma “celebridade” há cerca de um ano por suas sentenças duríssimas na Lava Jato, pelas citações bíblicas nas mesmas sentenças, pelo gosto pelas redes sociais e por se apresentar como paladino da moralidade. No entanto, apesar de ele a e mulher, Simone Bretas, também juíza, receberem mais de R$ 60 mil reais mensais, foram à Justiça para “exigir o direito” de ambos receberem o auxílio moradia no valor de R$ 8.754,00 mensais, apesar de morarem terem apartamento próprio no Rio de Janeiro, onde moram. Bretas defendeu seu “direito” e o da mulher à mamata num tuíte apesar de resolução do Conselho Nacional de Justiça haver regulamentado o assunto em 2014 e vetado o auxílio moradia para juízes que têm residência na cidade onde trabalham. Não só brigaram para receber como ainda entraram numa queda de braço com Bradesco para reajustar o aluguel de um de seus imóveis próprios no Rio de R$ 10.685,80 para R$ 20 mil. Isso e ainda contar os R$ 907,00 que o casal juiz/juíza recebem como auxílio alimentação – o que cada um se apossa só em auxílio alimentação já é bem superior ao teto do benefício do Bolsa Família. Somados, os dois benefícios compõem o Bolsa Juiz do casal: R$ 9.661,00 mensais.

    São duas maneiras de enxergar o Brasil, a relação com as pessoas e o Estado. Selma entendeu que os recursos do Estado são finitos e que o benefício que ela abriu mão de receber pode ajudar outra pessoas em condição pior que a dela –não por ter ficado rica, apenas por ter ficado menos pobre. Bretas e sua mulher são insaciáveis. Esfolam o Estado como os demais ricos do país. Para eles, os recursos públicos são um espólio de guerra –da guerra contra pobres- sobre o qual avançam com um apetite sem fim. O casal Bretas arranca mensalmente pelo menos R$ 80 mil do Estado direta ou indiretamente. Mas não basta –nunca basta.

    O caso de Selma e do casal Bretas é um exemplo do abismo que separa ricos e os pobres no Brasil –e o dinheiro sequer é a maior distância entre eles. A elite brasileira não faz a menor ideia do que significam solidariedade ou compaixão, substantivos muito concretos no cotidiano duro dos mais pobres, que tecem frágeis redes de apoio entre si.

    Bretas, Moro, os três desembargadores do TRF4 que condenaram Lula em 24 de janeiro com frases tonitruantes em seus votos, todos eles têm imóveis de alto valor nas cidades em que moram e trabalham –e todos recebem o Bolsa Juiz. Os exemplos não param: um desembargador de São Paulo, José Antonio de Paula Santos Neto, do Tribunal de Justiça, tem 60 imóveis registrados em seu nome na Prefeitura da cidade –mesmo assim açambarca mensalmente o Bolsa Juiz (auxílio moradia + auxílio alimentação).

    O abismo entre a elite do país e os milhões e milhões de pobres tem o tamanho da distância que separa o Bolsa Juiz do Bolsa Família. Tudo o que neste artigo está exemplificado nos casos de Selma, do casal Bretas, de Moro, dos desembargadores do TRF4 e do desembargador dos 60 imóveis é a personificação dos programas Bolsa Juiz e Bolsa Família.

    Constate as diferenças brutais entre um e outro. Por trás do Bolsa Juiz está a defesa dos empréstimos subsidiados que os empresários colhem nos bancos públicos, o dinheiro sem conta que deixam de recolher porque impõem uma estrutura tributária que massacra os pobres enquanto isenta-os de todos os lados, os trilhões de dinheiro do povo dos quais apoderam-se há anos, recebendo os juros da dívida pública. Olhando o Bolsa Família é possível sentir o sofrimento, a vida dura, a pobreza do povo brasileiro –mas, igualmente, sua dignidade.

    Curtir

  7. luiz permalink
    16/02/2018 20:43

    Amado L. Boff…antes q se desvaneça.. Toda sua essência…lembre q sua camisa..não é vermelha…sua camisa
    È Branca……
    Não t nada a ver com o objeto do texto acima…é só porque vi sua imagem
    Aqui exposta.

    Paz em Cristo!

    Curtir

  8. Otavio Tallarico permalink
    17/02/2018 18:25

    Sr. Boff,

    É chato dizer isso, mas pela sua divulgação e apoio de ideologias esquerdistas (socialismo, comunismo, petismo, Teologia da Libertação…..), eu, como Católico, tenho a obrigação de utilizar o “Decretum Contra Communismum” do Papa Pio XII em 1949.

    Segundo o decreto, o Sr. é um EXCOMUNGADO.
    ————————————————————
    Se quiser, o Sr. pode utilizar este blog para provar o contrário.

    Atenciosamente,
    Otávio

    Curtir

    • 18/02/2018 19:25

      Otávio, seria bom vc se atualizar. O decreto foi anulado. O prefeito de Roma era comunista e grande amigo de João Paulo II que dizia que nunca Roma foi tão bem admnistrada sendo ele comunista.Ademais o Sr vive numa democracia. Existe o PCdoB o Partido Comunista Brasileiro no qual militam muitos católicos que querem uma sociedade mais igualitária e justa. ´É isso que conta não as ideologias que vc tanto critica. Veja as práticas e menos as ideias. lboff

      Curtir

  9. 20/02/2018 0:49

    “Sou político pois defendo o bem comum” (Papa Francisco ). Recriminarem o Bosa Família aos Pobres e aplaudi-lo aos Juízes que recebem trinta mil reais, é inacrediável! Se ser a favor dos pobres é ser comunista, temos de admitir que Jesus cristo é comunista, já que ninguém defende os pobres como Jesus!

    Curtir

Trackbacks

  1. Bolsa Juiz x Bolsa Família: uma comparação que desnuda os dois Brasis | Leonardo Boff | BRASIL S.A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: