Pular para o conteúdo

Texto para ser lido no evento no teatro Casa Grande pela democracia e pela elegibilidade de Lula

16/01/2018

Por razões de saúde na minha família, não pude estar neste evento no teatro OI Casagrande, no Leblon,pela democracia e pela elegibilidade do ex-presidente Lula. Como forma de estar presente envio este texto de reflexão.

Companheiros e companheiras, querido amigo e presidenciável Lula (lá onde estiver).

Saúdo a vocês todos e a todas que não se renderam à convardia, à mentira oficial e mediática, à explícita cumplicidade do Judiciário e à geral venalidade de boa parte da classe política.

Estamos num momento crucial de nossa história que nos obriga escolher um lado. Tornou-se claro que estão se enfrentando dois projetos que irão definir o futuro de nosso pais: a reconolização ou a refundação.

O projeto da reconolização do Brasil, força-o a ser mero exportador de commodities para os países centrais. Isso implica mais que privatizar os bens públicos mas de desnacionalizar nosso parque industrial, nosso petróleo, grandes instituições públicas, quem sabe, até universidades. Trata-se de dar o maior espaço possível ao mercado concorrencial e nada cooperativo e reservar ao Estado só funções minimas.

Este projeto conta com alidos internos e externos. Os internos são aqueles que deram o golpe e aqueles 71.440 multibilionários que o IPEA sob Jessé Souza elencou e que controlam grande parte das finanças e financiam o Estado  com pesados juros. O aliado externo são as grandes corporações globais, interessadas em nosso mercado interno e principalmente o Pentágono que zeal pelos interesses globais dos Estados Unidos.

O grande analista das políticas imperiais, recém falecido, Moniz Bandeira e  o notável intelectual norte-americano Noam Chomsky bem como Snowden nos revelaram a estratégia de dominação global. Ela se rege por três ideias forças: primeira, um mundo e um império; a segunda, a dominação de todo o espaço (full spectrum dominace), cobrindo o planeta com 800 bases militares, muitas com ogivas nucleares. É prevista, sob o olhar do neoliberal presidente da Argentina, Macri, uma grande base na tríplice fronteira (Brasil, Paraguai,Argentina) para controlar o Brasil e particularmente o Aquífero Guarani, decisivo para o futuro próximo de grande parte da humanidade sedenta e que poderia abastecer de água o Brasil por 300 anos; a terceira, desestabilizar os governos progressistas que estão construindo um caminho de soberania própria e que devem ser alinhados à lógica imperial.

A desestabilização não se fará por via militar, mas por via parlamentar, já ensaida eficazmente em Honduras e no Paraguai e agora no Brasil. Trata-se de demolir as lideranças carismáticas, fazer da política o mundo do sujo e desmantelar políticas sociais para os pobres. Um concluio foi arquitetado entre parlamentares venais, estratos do judiciário, do ministerio público e da polícia militar, secundados pela mídia conservadora que nunca apreciou a democracia e sempre apoiou os golpes.

Conseguiram apear a presidenta Dilma, democraticamente eleita e instalar um Estado de exceção, antipopular, corrupto e violento. Todos os itens político-sociais pioraram dia a dia.

O outro projeto é o da refundação de nosso país. Ele já vinha sendo esboçado muito antes mas ganhou força sob o governo do PT e aliados, para o qual a centralidade é dada aos milhões de filhos e filhas da pobreza, descendentes da senzala, apesar dos contrangimentos impostos pelo neoliberalismo imperante no mundo e no Brasil. Junto com a garantia do substrato vital para milhões de excluidos através dos vários projetos sociais, foi a dignidade humana, sempre aviltada, que foi resgatada. Esse é um dado civilizatório de magnitude histórica.

Para todos nós que estamos aqui presentes, esse projeto da refundação do Brasil sob outras bases, com uma democracia construida a partir de baixo, popular, participativa sócio-ecológica e aberta ao mundo constitui, certamente nosso sonho bom e nossa utopia alviçareira.

Três pilastras a sustentarão: a natureza de riqueza singular, fundamental para o equilíbrio ecológico da Casa Comum, a Terra, a nossa cultura criativa, original, diversa e apreciada no mundo inteiro e, por fim, o povo brasileiro inteligente, inventivo, hospitaleiro e místico a ponto de pensar que Deus é brasileiro.

Essas energias poderosas poderão construir nos trópicos, não direi o sonho de Darcy Ribeiro, a Roma dos trópicos, mas uma nação soberana, ecumênica que integrará os milhões de deserdados e que contribuirá à nova fase da humanidade, a planetária, com mais humanidade, humor, alegria e que sabe conjugar trabalho com festa. Importa derrotar as elites do atraso e anti-nacionais que representam um Brasil, agregado e sócio menor do projeto-mundo.

Não anuncio otimismo, mas esperança. Santo Agostinho que não era europeu mas africano, um dos maiores gênios do cristianismo, bispo de Hipona, hoje Tunísia, deixou escrito em sua biografia, as Confições, esta palavra que será a minha última.

A esperança, já o disse muitas vezes, tem duas formosas irmãs: a indignação e a coragem.

A indignação para rejeitar tudo o que se apresenta como injusto e ruim.

A coragem para transformar a política do Brasil de ruim e péssima em boa e justa e refundar um Brasil onde todos possam caber, a natureza incluída.

Hoje precisamos cultivar a indignação contra as maldades oficiais que transbordaram o cálice da amargura. E a coragem para irmos às ruas, às praças, quem sabe, a Porto Alegre, para salvar a democracia, garantir a possibilidade da candidatura presidencial de Lula e assegurar um país soberano, nosso, com um destino definido pelo própro povo.

Alimentamos a certeza que chegará o dia em que a justiça e a igualdade triunfarão. Uma sociedade não pode se sustentar sobre a injustiça, a profunda desigualdade e a violência estrutural. A luz tem mais direito que todas as trevas que nos estão ocultando o horizonte.

Obrigado a todos e caminhemos juntos no mesmo compromisso por um Brasil de tipo diferente.

Leonardo Boff

Petrópolis/ Rio, 16 de janeiro de 2018

Anúncios
8 Comentários leave one →
  1. 17/01/2018 1:38

    Republicou isso em Não ao Golpe2.

    Curtir

  2. 17/01/2018 4:50

    Republicou isso em Cantinho da Florinda.

    Curtir

  3. Svetlana Farias permalink
    17/01/2018 6:31

    Perfeito!!!! Continuemos indignados para termos coragem de lutar contra o que está imposto!

    Curtir

  4. 17/01/2018 9:29

    Prezado Leonardo,
    Você me considera um covarde só porque nao escolhi o seu lado?
    Me diga, é isso ou te interpretei mal?
    Respeitosamente
    Marco Bertalot-Bay

    Curtir

  5. 17/01/2018 11:14

    “Quem não confessa Deus, confessa o diabo” (Papa Francisco).Dos colonizadores recebemos a Fé Cristã. Infelizmente não praticada por eles e ignorada pela totalidade dos dominadores da Humanidade até os dias de hoje. Não acolhem Deus e tudo o que a Ele está ligado. Sentem-se deuses, eternos., donos de tudo e de todos. Acordarão, mais cedo ou mais tarde do sonho ou pasadelo. A Realidade é que Deus é nosso Pai e somos Todos Irmãos, Criaturas Suas acolhidas na Mãe Terra, a Casa Comum! “Pai Nosso, seja feita a vossa Vontade assim na Terra como no Céu.” Parabens L. Boff, sempre iluminado por Deus!

    Curtir

  6. 17/01/2018 14:26

    BRASIL, UM PAÍS SEM DEFESA! Eis o grande obstáculo para que consigamos fazer do Brasil a Nação sonhada por tantos. Essa Defesa deveria vir do animal humano brasileiro – nós, mas parece que esse Senso de Defesa e Luta foi abortado, quase que de forma definitiva, tanto pela mídia capitalista/neoliberal que sempre esteve contra o País e a favor do status quo, do sistema, quanto pela classe política decrépita e cooptada pelo sistema de desmonte do Brasil e América do Sul.

    Curtir

  7. 17/01/2018 16:10

    Republicou isso em Zefacilitador.

    Curtir

  8. adenir permalink
    19/01/2018 7:27

    VOTO E SISTEMAS

    O SISTEMA ELEITORAL brasileiro funciona desde
    1824 no regime monárquico que em 1889 foi subs-
    tituído pela república. O voto era machista e discri-
    minatório. Somente nos anos de 1930 as mulheres
    votaram e trabalhadores foram beneficiados com
    direitos. Os sistemas monárquicos, republicanos e
    ditatoriais são heranças da cultura greco-romana e
    trazem no bojo pensamentos e visões de ilhas e pe-
    nínsulas que colocavam suas esperanças em utopi-
    as, sonhos e realidades limitadas e antigas que pas-
    saram e estão desatualizadas. Reformas, mudanças
    e revoluções aumentam os choques e conflitos. Co-
    mo estamos vivendo nos tempos contemporâneos
    e pós-modernistas dos últimos duzentos anos. Nada
    de novo na nudez, no medo e complexos dos opres-
    sores com os mesmos cantos de sereias, contos de
    vigários e presentes enganadores, corruptores e es-
    cravistas. SÓ SE DÁ AMOR A QUEM TEM FOME dizia
    Nietsche e aos que TÊM FOME E SEDE DE JUSTIÇA.
    Já ecoava desde a antiguidade com o NOVO SER HU-
    MANO nascido de Maria. Sem complexo de Édipo e
    sem lugar para reclinar a cabeça. Mas, que trouxe a
    vida e pão de cada dia até os confins da terra. A vida
    que evolui pelo universo em expansão e processo de
    amorização que prepara novos lugares e nova terra,
    pois não se coloca vinho novo em odres velhos, nem
    gente nova com votos velhos. Precisamos atualizar os
    sistemas. Abraços. adenir

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: